Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O petista Emir Sader, o racismo e a estupidez. Ou: Futuro presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa chama sua chefe de “autista” e diz seguir orientação de Dilma

O caderno “Ilustríssima”, da Folha, trouxe neste domingo um excelente texto de Marcelo Bortoloti e Paulo Werneck sobre a Fundação Casa de Rui Barbosa, que vai ser presidida pelo petista Emir Sader, acusado por alguns de sociólogo e intelectual. Há alguns anos considero este senhor um país mental, a que dei o nome de “Emirados […]

O caderno “Ilustríssima”, da Folha, trouxe neste domingo um excelente texto de Marcelo Bortoloti e Paulo Werneck sobre a Fundação Casa de Rui Barbosa, que vai ser presidida pelo petista Emir Sader, acusado por alguns de sociólogo e intelectual. Há alguns anos considero este senhor um país mental, a que dei o nome de “Emirados Sáderes”. O texto da Folha, intitulado “Um emirado para Emir”, seguiu ao menos um pedaço dessa trilha. Já escrevi três posts sobre a indicação do bruto para a fundação: dois no dia 18 — “Abaixo o preconceito! Tiririca para a Casa de Rui Barbosa!” e  “Sader, o novo presidente da Casa de Rui Barbosa, se diz um especialista acadêmico em “Lula”!!! É mole?” — e um no dia 24: “Um país mental chamado Emirados Sáderes. Ou: A Madraçal do Emir“. Se era para escolher um quase analfabeto para a instituição, por que não o palhaço que é campeão de votos?

O “professor” já havia barbarizado numa entrevista ao jornal O Globo ao anunciar a pretensão de transformar Slavoj Zizek, Eduardo Galeano e Marilena Chaui em referências da reflexão na Casa. A grande ousadia de Zizek é justificar o terrorismo como uma moderna forma de luta política. Lixo moral! Marilena e Galeano são dois dinossauros daquela esquerda que alguns chamam “carnívora”, mas que, estou certo, é “herbívora”, já que pensa com os pés no chão — os quatro… Falarei um pouco mais da instituição abaixo. Quero me fixar um tantinho em Emir. Na conversa com a Folha, ele exagerou na delinqüência intelectual e, é o caso de avaliar, pode ter cometido um crime que dá cadeia, cuja pena é inafiançável e imprescritível: racismo. E nem é necessário que alguém o acuse disso. Se quiser, o próprio Ministério Público tem a prerrogativa de denunciá-lo. Por que escrevo isso?

Caetano Veloso, em sua coluna no jornal O Globo, criticou a entrevista que Emir dera ao jornal, inclusive a intenção de levar aqueles intelectuais para a fundação. À Folha, Emir comentou a opinião do compositor nestes termos:
“O Caetano ziguezagueia, fala qualquer coisa. O Gil foi ministro tem que ter mais coerência, tem que fazer política. Quem diria que aquele nego baiano tem muito mais articulação do que o Caetano?”

Epa!!!

Alguém aí tem alguma interpretação alternativa para o que disse Emir Sader? Ele até emenda depois: “O Caetano é um cara conservador, tradicional, e o Gil é um cara inovador, com o qual eu me identifico”. Pode até ser. Mas as palavras têm sentido. Quando este gigante do pensamento considera um paradoxo, e ele considera, um “nego baiano” ter “mais articulação” do que Caetano, está afirmando, evidentemente, que o normal é que “negos baianos” não sejam tão articulados quanto brancos baianos. O seu “quem diria?” expressa o que ele considera ser uma contradição. A frase me parece inequivocamente racista, além de revelar uma das muitas ignorâncias de Emir. O pai do “nego baiano” era um médico bem-sucedido, e ele próprio era formado em administração de empresas quando se lançou na vida artística. Não é alguém que endosse o folclore do “nego baiano” saído do Pelourinho para o estrelato. Na seqüência, quando elogia o “inovador” Gil, ainda parece fazê-lo à esteira daquele suposto paradoxo. Dessem duas cachaças ao valente, haveria o risco de dizer: “Eu, embora branco, me identifico mais com Gil…”

Instituição respeitável
Essa foi uma das barbaridades ditas por Emir na conversa com os jornalistas da Folha. É espantoso que este senhor esteja para dirigir uma instituição federal respeitável, que tem passado e tem presente. Lembra o texto da Folha:
É vasta a lista de trabalhos relevantes lá realizados. Para citar apenas alguns exemplos, foi ali que Antonio Houaiss escreveu um monumento sobre edição de livros no país: “Elementos de Bibliologia” (1967). Também foram realizados trabalhos relevantes na área de filologia, como o “Vocabulário do Português Medieval”, de Antônio Geraldo da Cunha, e o levantamento de manuscritos de autores como Álvares de Azevedo, José de Alencar e Cruz e Souza.
Mais recentemente, foi feito o preparo de uma edição crítica dos primeiros livros de poesia de Carlos Drummond de Andrade, por Júlio Castañon Guimarães, que também assina o estabelecimento de texto do volume de “Crônicas Inéditas” de Manuel Bandeira (Cosac Naify). A produção de Drummond para os jornais ainda inédita em livro foi levantada pela pesquisadora Isabel Travancas.

Emir quer mudar tudo! Para ele, a Fundação Casa de Rui Barbosa tem de ser um centro de reflexão sobre o… lulismo! Não se trata de uma brincadeira nem de um resumo apressado. E sabem em quem ele se escora para justificar essa escolha? Na presidente Dilma Rousseff. Numa entrevista que a então candidata concedeu ao próprio Emir e a Marco Aurélio Garcia — sim, o Top, Top —, que virou livro, ela teria dito:
“Vocês têm que teorizar esse troço, nós estamos fazendo. Nós não temos tempo de pensar os limites, as contradições, os potenciais”.
O “vocês” são os “intelectuais” da estirpe de Emir; “esse troço” é o lulo-petismo. Indicado para presidir a Fundação, este iluminado acha que uma instituição dedicada à preservação de acervos literários e pesquisas históricas deve se converter num centro de louvação da herança lulista.

Confissão de ignorância
Os Emirados Sáderes ainda não invadiram a Fundação Casa de Rui Barbosa. A nomeação está para a acontecer. Embora ele queira mudar tudo por lá, confessa ignorar o trabalho que se faz na instituição que vai dirigir. Leiam isto:
O que Emir Sader destaca na produção da Casa Rui? “Eu vou fazer injustiças… A [historiadora] Isabel Lustosa faz um trabalho legal, a [crítica literária] Flora Süssekind… Mas aí é dizer mais ou menos o óbvio, né. A Lia Calabre, na parte de políticas culturais… Eu não conheço direito, não conheço por ignorância minha, mas não conheço por intranscendência da Casa. Você olha aquilo lá e não sabe em que momento do país aquilo foi produzido. Eu também não me informei muito. As coisas da casa não chegaram a mim. E lá de dentro não saiu essa transcendência, de colocar temas importantes”.

Eu vivo gozando da ignorância de Emir. Ele pensa mal, escreve mal, cita mal — já participei de um debate com ele em que atribuiu a Adam Smith o que este nunca dissera; um dos presentes insistiu para Emir revelar a fonte da citação; não existia; foi muito constrangedor! Noto, ao ler o trecho acima, que ele ignora o significado da palavra “transcendência” em todas as suas acepções. O que quer dizer, meu Deus!, “sair transcendência lá de dentro?” Imaginem, então, o que vem a ser a “intranscendência”, uma surpresa até para os dicionários…

E, obviamente, destaco a vigarice intelectual de quem confessa ignorar o trabalho que se faz na instituição que vai presidir, embora tenha demonstrado a intenção de mudar o rumo do trabalho. É o fim da linha!

De como Emir não foi ministro
Emir Sader queria ser ministro. Ele se mobilizou para isso. Ele puxou o saco para isso. Ele organizou um manifesto de intelectuais e artistas em favor de Dilma para isso. Mas cometeu um erro fatal. Convidou Chico Buarque para ser a grande estrela do movimento, e a ministra, como sabem, é Ana de Hollanda, irmã do colecionador de Jabutis em cima da árvores. O homem está frustrado. A Fundação Casa de Rui Barbosa é subordinada ao Ministério da Cultura. Assim que for nomeado, Ana passa a ser a chefe de Emir. Ele não contém seu ressentimento. Na entrevista à Folha, referiu-se ao corte do Orçamento nestes termos:
“Tem o corte, o orçamento é menor, e tem dívidas. Desde março, não se repassou nada aos Pontos de Cultura. Teve uma manifestação em Brasília. Está estourando na mão da [ministra] Ana [de Hollanda] porque ela fica quieta, é meio autista.”

É isto: Emir Sader acha que sua futura chefe é meio “autista”.

Este notável intelectual será nomeado para a presidência da Fundação Casa de Rui Barbosa na cota pessoal do Babalorixá de Banânia. Não escamoteia sua ignorância nem seus propósitos. A idéia é mesmo transformar a instituição numa divisão do PT. Repetindo aquelas que seriam palavras da própria presidente, não poupa nem mesmo a ministra da Cultura, petista como ele. Imaginem o que fará com a linha de pesquisa que não endossa seus preconceitos ideológicos.

Até outro dia, os adversários do PT se encarregavam de acusar o partido de aparelhar órgãos do estado. Eles negavam. Agora, há uma advertência, um aviso prévio: “Vamos aparelhar, sim!”  Emir diz que transformará a entidade numa divisão do partido e deixa claro que não se subordinará nem àquela que será sua chefe.

Com a palavra, a presidente Dilma Rousseff, cuja diretriz ele diz estar obedecendo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s