Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Não toquei instrumento de sopro para general. Então não preciso pedir desculpas!

As coisas são simples, embora muito complicadas. Como não fiquei tocando flauta para general — nem tinha grandeza para isso, né? Para executar esse tipo de instrumento, era preciso ter importância, e eu não tinha (nem tenho) nenhuma —, não preciso agora exercitar o discurso da hipocrisia. Ao contrário: já contei aqui e repito. Antes […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 04h08 - Publicado em 31 mar 2014, 17h10

As coisas são simples, embora muito complicadas. Como não fiquei tocando flauta para general — nem tinha grandeza para isso, né? Para executar esse tipo de instrumento, era preciso ter importância, e eu não tinha (nem tenho) nenhuma —, não preciso agora exercitar o discurso da hipocrisia. Ao contrário: já contei aqui e repito. Antes de completar 16 anos, em 1977, durante o que se chamava então “primeiro colegial”, experimentei a truculência do regime. Depois vieram outros embates e coisa e tal. Não tenho mea-culpa a fazer sobre absolutamente nada — incluindo o período em que achava que Trotsky havia descoberto a pedra filosofal.

Assim, a cretinada que anda por aí — que coisa engraçada! — a me colocar como beneficiário do golpe, dizer o quê, além da recomendação permanente? Que estudem! Que se livrem das trevas da ignorância! Quando ser contra o regime militar rendia dissabores, eu era contra, e muitos que hoje são “contra” experimentavam suas delícias. Em 2014, eu continuo contra, mas não me alinho com oportunistas que pretendem contar a história que não existiu (e já vou falar sobre Dilma Rousseff). Fanfarrões que se lambuzaram no regime agora maldizem o tempo em que se refestelaram no banquete da indignidade.

Outros tantos, que ficaram criando metáforas, tropos e fantasias para o generalato, agora posam de velhinhos libertários e críticos do regime: têm medo de cachorro vivo e chutam o cachorro morto com aquela coragem que só os covardes sabem exibir.

Pra cima de mim? Não vem que não tem!

Continua após a publicidade

Não toquei instrumento de sopro pra general. Então não peço desculpas! Quando já tinha idade para que as minhas ideias parassem sobre as próprias pernas, descobri que eu gostava mesmo era de democracia, não como um valor instrumental, um meio, mas como coisa em si e um fim.

E sempre de graça! Por gosto mesmo!

Publicidade