Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Joaquim Levy alimenta delírios confiscatórios e quer tungar a classe média que já paga a conta! Eis um dito “neoliberal” fazendo o que nem o esquerdista Mantega teve coragem! É a geleia geral brasileira onde prospera o atraso. À luta, oposições!

O Brasil é mesmo um país sui generis, com particularidades bem extravagantes. Uma delas deu certo: a jabuticaba. Só prospera por aqui e é uma delícia. O resto, como não se cansa de dizer por aí, é besteira e fabrica o nosso atraso. Em nenhum outro país do mundo, liberais empedernidos servem a governos de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 02h20 - Publicado em 13 jan 2015, 16h11

O Brasil é mesmo um país sui generis, com particularidades bem extravagantes. Uma delas deu certo: a jabuticaba. Só prospera por aqui e é uma delícia. O resto, como não se cansa de dizer por aí, é besteira e fabrica o nosso atraso. Em nenhum outro país do mundo, liberais empedernidos servem a governos de esquerda, nominalmente ao menos. Em tese, teríamos essa particularidade. Todos sabemos que Joaquim Levy, novo ministro da Fazenda, chegou para, digamos, refazer as pazes entre o governo Dilma e o mercado.

Levy participou nesta terça de um café da manhã com a imprensa. Deixou claro que é mesmo diferente do esquerdista Guido Mantega, seu antecessor. Chamou o mandato em curso de Dilma de “segundo tempo”, afirmou que houve um “empate em zero a zero” no primeiro — não especificou quem era o adversário — e disse ser chegada a hora de marcar gol. Para quem está à caça de frases de efeito, declarou com pompa: é a iniciativa privada que toca o país. Beleza! Tudo no lugar!

Sob Levy, está claro, mudanças importantes serão operadas na economista, também no quesito despesas. As barbeiragens cometidas no setor elétrico no primeiro mandato de Dilma tendem a ser corrigidas agora. Cessará o subsídio ao setor, e o consumidor tenderá a pagar pela energia algo mais parecido com o que ela custa. É ruim? Para quem paga, é. Mas é necessário. Um país começa a se danar quando os preços entram em parafuso.

O governo decidiu também dar uma paulada na bagunça do seguro-desemprego,  como se pode ler posts abaixo. Ninguém ignora que o benefício se transformou numa forma de captação de recursos públicos, a um custo bilionário. E poderíamos dizer, então: “Eis aí o liberal Levy! Ele serve a um governo que se diz de esquerda, mas está fazendo a coisa certa”.

Pois é.  Ocorre que o “liberal” — ou “neoliberal”, como querem alguns — Levy também está preocupado com a arrecadação, não é? Sim, eu acho isso justo. Aliás, se o Brasil voltar a crescer, se gastar menos na administração da própria máquina, se desperdiçar menos dinheiro, se puser fim à corrupção, é certo que arrecadará mais. Ocorre que o homem anda com outras ideias.

Continua após a publicidade

Ele está de olho no bolso dos prestadores de serviço e disse que vai analisar a situação das “pessoas que têm renda através de pequena empresa, que pagam 4%, 5% de imposto em vez de 27,5%”. Ou seja: o senhor Joaquim Levy está empenhado agora em tirar salário — porque é disto que se trata — de uma fatia da classe média. A classe média, leitores, é aquela gente que sempre paga a conta no Brasil.

Espera-se que o senhor Joaquim Levy se lembre de que os ditos “prestadores de serviço”, que atuam como pessoas jurídicas, não gozam de benefícios que oneram tanto o estado como as empresas com as quais mantêm contrato. Elevar o imposto pago por esses profissionais vai, sim, lhes roubar renda, sem que voltem a ter nenhum dos benefícios dos quais abriram mão. Mais: o governo pode estar dando um tiro no pé, estimulando a informalidade.

Em nenhum país do mundo, um liberal proporia tomar dinheiro da sociedade — especialmente da camada que impõe maior dinamismo na economia — em favor de um estado perdulário — todos são; o brasileiro é mais. Com que discurso Levy vai bater a carteira da classe média? Também ele vai brincar de luta de classes, a exemplo de seus neocompanheiros do PT?

Aliás, para onde vai um governo que decide ampliar o “Supersimples” e que, ao mesmo tempo, demonstra a disposição de tungar seus eventuais beneficiários — o que, convenham, nem o esquerdista Guido Mantega decidiu fazer?

Que país sui generis! O comunista do Brasil, Flávio Dino, novo governador do Maranhão, diz que seu Estado precisa de um choque de capitalismo. E o liberal Joaquim Levy alimenta delírios confiscatórios. Isso tudo poderia parecer engraçado. Mas isso tudo é só parte do nosso atraso e na nossa miséria, também intelectual e política. Espero que as oposições não se deixem encantar pelo dito conservadorismo do sr. Levy e se organizem para impedir um novo assalto a uma fatia da sociedade que já paga a conta.

Continua após a publicidade
Publicidade