Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Inflação anual cai para 4,99% com a freada da economia

Por Pedro Soares, na Folha: forte freada da economia, a moderação do consumo e a crise externa estão ajudando a conter os aumentos de preços para o consumidor, o que abre caminho para o Banco Central promover novos cortes nos juros nos próximos meses. O IPCA, índice oficial de inflação, subiu 0,36% em maio. Ficou […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 08h40 - Publicado em 7 jun 2012, 05h15

Por Pedro Soares, na Folha:
forte freada da economia, a moderação do consumo e a crise externa estão ajudando a conter os aumentos de preços para o consumidor, o que abre caminho para o Banco Central promover novos cortes nos juros nos próximos meses. O IPCA, índice oficial de inflação, subiu 0,36% em maio. Ficou abaixo das previsões do mercado e foi inferior à taxa de abril (0,64%). A taxa acumulada nos 12 meses até maio atingiu 4,99%, a mais baixa desde setembro de 2010, segundo o IBGE. Apontado pelos dados do PIB do primeiro trimestre (alta de apenas 0,2%), o menor ritmo de atividade da economia e o receio de ampliar gastos em tempos de inadimplência crescente rebateram nos preços dos serviços, até então vilões da inflação.

Com o consumo menos aquecido e uma folga menor no orçamento, comprometido para saldar dívidas, os preços dos serviços (de refeições fora de casa a empregados domésticos) subiram 0,21% em abril, menor nível desde outubro de 2009. Caíram os preços de serviços como passagens aéreas, pacotes de viagens, hotéis e outros. Para Eulina Nunes dos Santos, coordenadora do IBGE, a alta menor dos serviços pode estar ligada à menor disposição das famílias em consumir serviços que, em muitos casos, não são essenciais. Mas reflete também, diz ela, uma “saturação dos preços”, que já haviam subido muito (8,76% em 12 meses até maio), o que tornou muitos serviços caros e afastou uma parcela de consumidores. Elton Teles, analista do Itaú-Unibanco, afirma que a freada dos serviços é “consistente com o menor ritmo de atividade da economia” e com as previsões de uma retomada mais lenta do que a prevista pelo governo.
(…)

Publicidade