Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Imprensa alternativa e bobos da corte

Num post de ontem, em que reproduzi a Carta ao Leitor da Veja desta semana dando conta do excelente desempenho publicitário da revista, fiz um título com duas alusões, vejam lá: “É assim que se faz imprensa alternativa; o resto é seção de secos & molhados”. Um monte de leitor ficou feliz com a notícia, […]

Num post de ontem, em que reproduzi a Carta ao Leitor da Veja desta semana dando conta do excelente desempenho publicitário da revista, fiz um título com duas alusões, vejam lá: “É assim que se faz imprensa alternativa; o resto é seção de secos & molhados”. Um monte de leitor ficou feliz com a notícia, conforme se lê nos comentários. E também chegaram muxoxos. “Imprensa alternativa?”

O alternativismo, como sabemos, tem de ser necessariamente de esquerda. São ecos daquele tempo em que se resistia à ditadura militar em nome de amanhãs que haveriam de cantar. Eu mesmo comecei no jornalismo vendendo jornal: a publicação Versus, da Convergência Socialista. Depois, espírito indômito que era e, bom trotskista, chegado a um racha, fui ser jornaleiro de O Trabalho, da Libelu. Até renunciar à servidão voluntária, hehe…

É claro que chamar a maior revista do país — e uma das maiores do mundo — de “imprensa alternativa” é uma brincadeira com as palavras. A que alternativa me refiro? A Carta ao Leitor explica: “A participação dos anunciantes em VEJA nos permite existir sem a preocupação de agradar ou de obter favores de quem quer que seja. São os anunciantes que nos dão as condições materiais de, a cada número, renovar nosso compromisso exclusivo com os leitores.”

Eis aí a verdadeira “alternativa”. A do leitor. E o que é feito daquele alternativismo de antes? Está como Blanche DuBois: “Dependendo da boa vontade de estranhos” — de pessoas estranhas ao fazer jornalístico e à liberdade de informação. Se você tem muitos anúncios (de empresas públicas ou privadas, pouco importa) porque tem muitos leitores, excelente! É livre. Ruim é ser desprezado pelo mercado, contar com o leite de pata da ajuda oficial e depois ter de correr atrás de um público para justificar a prebenda. E ainda subir no banquinho para fazer discurso.

Sim, meu título ecoa uma frase de Millôr Fernandes, também colunista da Veja: “Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados”. Governos costumam não gostar do jornalismo. Ainda bem. É bom que seja assim. Sinal de que estamos fazendo nosso trabalho. Os democratas acabam se conformando, cientes de que a alternativa — controle público da informação — é muito pior. Já os autoritários buscam formas para fazer da liberdade de expressão um instrumento de manipulação.

Alguns anões morais acabam alugando sua pena aos mandatários de turno. Mas sempre conservando, por indeclinável amor à impostura, certo sotaque oposicionista. Nem que precisem se opor a uma conspiração que eles próprios inventaram. Diogo Mainardi trata do tema em sua coluna desta semana. Não adianta: vão parar no armazém de secos & molhados. Até porque inexiste a categoria dos sabujos independentes. No máximo, são bobos da corte.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Anônimo

    A Veja aqui em casa percorre um longo caminho. Meu pai compra e lê no sábado. No domingo, almoça na minha casa e me passa a revista. Eu leio e passo para a minha meninada. No meio da semana ela vai para o filho do jardineiro. E segue…

    Curtir

  2. Comentado por:

    Anônimo

    Ja assinei a peticao contra o aumento. Precisamos de muito mais assinaturas. VAMOS GENTE!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    simplesmente maria

    Com o louvor ao MTB e ao Governo, o Anônimo das 2:19 PM denunciou-se como petralha. Petralha desinformado, além de tudo, pois o efeito cascata do aumento foi debatido há dias aqui e foi noticiado também na Folha, se não me falha da memória.
    Petralha, dispensamos seus comentários.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Carlos César Higa

    Reinaldão,
    a Veja poderia falar do patrocínio da Sul América que foi cortado do post do Diogo Mainardi e muito comemorado pelos petistas no orkut.
    Abraços
    Carlos César Higa

    Curtir

  5. Comentado por:

    enlil

    Acho uma tremenda sacanagem desta turba ficar melindrada com o aumento que os políticos se auto concederam. Por acaso alguém em sã conciência ainda esperava alguma atitude correta destas pessoas?Nós estamos no Brasil, lugar propício para políticos ladrões, porque tem a maior concentração de bundões do planeta!!!!!!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Anônimo

    Reinaldo, quando Você fala de seu passado de esquerda, fico tentado a perguntar se foi um dos idiotas que foram cortar cana de graça para ajudar a revolução do barbudo. Diga que não, pelo menos seu grau de idiotice de então não ficará tão alto…

    Curtir

  7. Comentado por:

    Anônimo

    A Veja é ,talvez, na atualidade, a única alternativa de sobrevivência de uma imprensa livre,neste mundo de cinismo jornalístico em que vivemos .Peço ao Todo Poderoso vida longa à Veja e que ela não ceda às tentações do poder político e econômico, permanecendo independente e fiel à verdade dos fatos.Por favor, Srs redatores de Veja; jamais dispensem o Diogo Mainard e os grandes articulistas que aí militam…E que o Reinaldo Azevedo não desista nunca de seu inestimável Blog e de sua infindável paciência em aturar comentários como este…

    Curtir