Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Haddad tenta se livrar da própria obra e volta a associar a oposição ao kit gay à homofobia. Uma ova! Continua a ofender as pessoas de bom senso

Fernando Haddad, ex-ministro da Educação e virtual candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, já está doidinho para se livrar da própria obra. Como um bom petista, resolve, então, contar a história pelo avesso e, ora vejam!, atacar adversários, invertendo o ônus de suas próprias escolhas. Em sua gestão, o MEC preparou filminhos para […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 09h30 - Publicado em 15 fev 2012, 18h22

Fernando Haddad, ex-ministro da Educação e virtual candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, já está doidinho para se livrar da própria obra. Como um bom petista, resolve, então, contar a história pelo avesso e, ora vejam!, atacar adversários, invertendo o ônus de suas próprias escolhas.

Em sua gestão, o MEC preparou filminhos para ser exibidos nas escolas de suposto combate à homofobia. Eles não foram preparados por educadores que conhecem a sala de aula. A tarefa ficou a cargo de ONGs e militantes, como de costume. Em um deles, a bissexualidade era apresentada como uma vantagem na comparação com a heterossexualidade. Se você quiser relembrar, segue abaixo. Volto depois.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=TEcra9BBOdg&w=420&h=315]

Escrevi sobre essa coleção de absurdos no dia 25 de maior de 2011. Leiam este trecho que transcrevo do filmete:
“Foi copiando a lição de probabilidade, que Leonardo teve um estalo: por que precisaria decidir ficar só com garotas ou só com garotos se ele se interessava pelos dois? E ele não era de ficar com qualquer um. Mas, quando ele gostava, não importava se era garoto ou garota. E, gostando dos dois, a probabilidade de encontrar alguém por quem sentisse atração era quase 50% maior. Tinha duas vezes mais chance de encontrar alguém (…)!

A mensagem geral é a seguinte: qualquer um que assiste ao filme, qualquer dos estudantes, pode, a exemplo de Leonardo, ser gay e não saber — ou, no caso, bissexual. Implicitamente, incita-se a experimentação. Se não tentar, como sabê-lo, não é mesmo? A tese é, obviamente furada, basta vocês procurarem qualquer pessoa que estude o assunto a sério. Agora a matemática.

 Não! Se Leonardo, antes, colhia os seus namoros em apenas 50% do público namorável — as meninas — e poderia, descoberta a sua bissexualidade, fazer a coleta também nos outros 50%, então a probabilidade de encontrar alguém por quem sentisse atração “era 100% maior”, não 50%. Erro de matemática. Bando de ignorantes! O professor que ensinou probabilidade para o Leonardo deveria ser um craque em homoafetividade, mas um estúpido na sua disciplina. Há outro erro, este de matemática e de língua. Se eu tenho uma laranja e você tem duas laranjas, você não tem “duas vezes mais laranja do que eu”, mas apenas uma. Quando a chance de alguém dobra, ela aumentou uma vez, não duas.

Continua após a publicidade

Os filmes preparados pelo MEC de Haddad são moral e matematicamente indigentes. Um outro vídeo, como sabem, defende o “direito” que um aluno “transgênero” teria de usar  o banheiro feminino e de não ser chamado pelos professores pelo seu verdadeiro nome. Um terceiro trata do lebianismo, também numa linguagem que beira a apologia.

Ora, quem deu a Haddad o direito de se imiscuir, assim, na organização das famílias? Com que preparo especial e com que competência específica professores exibiriam esses filmes nas milhares de escolas brasileiras? O governo chegou a hesitar em algum momento, a ter dúvida? Só em um: até onde a língua de uma garota deveria entrar na boca de outra num beijo lésbico. Trato do assunto em outro post.

O tema voltou a ser debatido. Leio na Folha Online o que segue. Volto em seguida:
Na mira de líderes evangélicos por causa do chamado kit anti-homofobia, o pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, disse nesta quarta-feira (15) que o uso político do tema estimula a violência contra homossexuais. O ex-ministro afirmou que exploração eleitoral do tema “indiretamente acaba incitando” casos de agressão e se disse preocupado com incitação de “forças obscurantistas” no país. “O que me preocupa é que muitas vezes o indivíduo pode entender que é um fato a ser explorado [na campanha] sem considerar que isso indiretamente acaba incitando a violência”, disse Haddad. “Muitas vezes, ao não abordar corretamente a questão dos direitos humanos, você acaba sem querer promovendo uma violência que é crescente no país contra pessoas que têm outra orientação sexual.”

O petista disse ter “certeza” de que os líderes evangélicos que o criticam não pretendem promover a violência, mas afirmou que o uso político do tema “libera em alguns indivíduos forças obscurantistas” contra os gays. Haddad disse não temer ataques por causa do tema. Em entrevista publicada na Folha nesta quarta-feira, Marcos Pereira, presidente do PRB e bispo da Igreja Universal, afirmou que o assunto fará o petista “sofrer” na campanha. “A verdade vai prevalecer sobre a mentira. A verdade prevalecendo, não há o que temer”, afirmou o petista. “Estou absolutamente seguro quanto às decisões que tomei.”
(…)
Voltei
Como é que é? Quer dizer que, se gays sofrerem alguma forma de violência, a responsabilidade poderia recair também sobre as costas daqueles que acham os vídeos preparados por Haddad e sua equipe inadequados? Esse material, e coisa ainda pior, só não foi distribuído em larga escala nas escolas porque a sociedade reagiu. São Paulo, cidade que Haddad pretende administrar, tem milhares de alunos em escolas municipais. É com esse cuidado que ele pretende tratar do assunto?

É uma vigarice intelectual e moral associar os críticos às barbaridades contidas naqueles vídeos à homofobia. O que a sociedade não aceita é que o estado se meta dessa forma na organização das famílias. Mais: há uma diferença nada ligeira entre combater o preconceito à homossexualidade e a linguagem que beira a apologia.

No próximo post, relembro o nível de delinqüência intelectual a que chegou o MEC, o que desmente a farsa de que Haddad não sabia de nada.

Continua após a publicidade
Publicidade