Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Foi-se a esperança de Lula e dos lulistas: Dilma confirma que disputa a reeleição em 2014. Quanta ingratidão!!!

Pois é… Lá se foram as últimas esperanças dos lulistas. A presidente Dilma Rousseff confirmou que vai mesmo disputar a reeleição em 2014. Bem, nunca duvidei disso. Os fanáticos do lulocentrismo é que mantinham as esperanças. Há no partido quem veja isso como uma espécie de ingratidão. Pode até ser que um oposicionista ou outro […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 07h02 - Publicado em 19 jan 2013, 05h24

Pois é… Lá se foram as últimas esperanças dos lulistas. A presidente Dilma Rousseff confirmou que vai mesmo disputar a reeleição em 2014. Bem, nunca duvidei disso. Os fanáticos do lulocentrismo é que mantinham as esperanças. Há no partido quem veja isso como uma espécie de ingratidão. Pode até ser que um oposicionista ou outro fizesse votos de que Dilma quebrasse a cara, mas fiquem certo de uma coisa: ninguém mais do que Lula torcia, e torce ainda, por isso… Não virá nenhum grande sacolejo até 2014. Se a oposição não demonstrar que pode ser melhor do que ela e se não transformar em linguagem política as ruindades do governo, Dilma fica até 2018.

Lula terá de se contentar com o PT. Há a banda que torce para que dispute o governo de São Paulo. Imbatível? Sei lá. Ele nunca venceu uma eleição no colégio eleitoral do estado. Vai que dispute e perca… O Demiurgo encontraria um fim melancólico. Não creio que ceda à tentação, mas nunca se sabe…

Escrevi ontem um longo texto a respeito. Consta que, em fevereiro, ele começa a percorrer o país, numa reedição de suas caravanas. Os seus fanáticos dizem que vai defender “seu legado”. Imaginei que Dilma já o fizesse…  Leiam o que informa Fernando Krakovics no Globo.

Em sua terceira conversa desde o início de novembro com o presidente do PSB e pré-candidato à Presidência da República em 2014, governador Eduardo Campos (PE), na última segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff afirmou categoricamente que é candidata à reeleição. O socialista, que tenta viabilizar sua própria candidatura, mas continua na base de apoio ao governo, não se posicionou em relação ao eventual apoio à reeleição de Dilma. Comprometeu-se apenas a ajudá-la a fazer uma boa administração neste ano de 2013.

Setores do PT gostariam que o ex-presidente Lula fosse candidato em 2014, já que Dilma mantém uma relação mais distante com o partido. Essa opção também funciona como uma espécie de garantia caso algo vá mal no governo. Já a presidente tem evitado falar publicamente sobre o assunto porque não quer antecipar o debate eleitoral, o que poderia prejudicar sua administração.

Continua após a publicidade

Integrantes do PSB e interlocutores de Eduardo Campos contaram que, na conversa de segunda-feira, no Palácio do Planalto, Dilma afirmou que será candidata à reeleição e pediu apoio do presidente do partido para atravessar 2013, principalmente por causa da crise econômica e da necessidade de retomar o crescimento do país. A informação foi divulgada pela agência Reuters, e confirmada pelo GLOBO.

“O PSB é fundamental para nós (governo). Se você é candidato ou não, não altera”, teria dito a presidente para Campos, de acordo com interlocutores do pernambucano. “Eu vou para a reeleição”, teria afirmado a presidente, sem ter de volta o compromisso de apoio de Eduardo Campos.

O tom da conversa foi uma saia-justa para Campos. Ele ainda não sabe se realmente será candidato, porque, para isso, precisa costurar apoios e analisar o cenário político e econômico, para ver se tem alguma chance. O presidente do PSB não quer entrar em uma aventura, mas também não quer excluir seu nome do processo.

Enquanto isso, os socialistas continuam no governo Dilma, ocupando dois ministérios, Integração Nacional e Portos. “Nossa estratégia hoje é que o Eduardo não pode dizer que é candidato e também não tem como dizer que não é. E ele também não quer se expor”, disse uma pessoa próxima de Campos.

Depois da conversa de quase duas horas, o presidente do PSB deixou o Planalto repetindo o discurso de apoio ao governo federal, mas sem se comprometer com as eleições de 2014. Ele disse que antecipar o debate eleitoral não interessa ao desenvolvimento do país.
(…)

Continua após a publicidade
Publicidade