Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Filha de Janot advoga também para a Odebrecht. Fim da Lava Jato?

Segundo os critérios de Rodrigo Janot, devem ser considerados nulos todos os atos do procurador-geral que se relacionem, de algum modo, com esse grupo

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 9 maio 2017, 14h54 - Publicado em 9 maio 2017, 13h29

Que coisa!

A filha de Rodrigo Janot, Letícia Ladeira Monteiro de Barros, não advoga apenas para a OAS. Como atestam dados abaixo, ela também defende os interesses da Braskem, o braço petroquímico do grupo Odebrecht. Vejam.

E agora? Bem, segundo os critérios de Rodrigo Janot devem ser considerados nulos todos os atos do procurador-geral que se relacionem, de algum modo, com a Odebrecht. Isso inclui aquela batelada de pedidos de abertura de inquérito, feitas à baciadas, sem critério nenhum.

E reitero: a mulher de Gilmar Mendes, Guiomar, apenas trabalha no escritório de Sérgio Bermudes, que atua para Eike na área cível, não na penal. Guiomar não trabalha para Eike, mas a filha de Janot efetivamente trabalha para a OAS.

Publicidade

Diz Janot que, trabalhando no escritório de Bermudes, de algum modo, parte do que paga Eike vai para Guiomar, ainda que indiretamente.

Bem, no que respeita à filha de Janot, parte do que pagam a OAS e a Odebrecht vão para a filha de Janot diretamente.

Seguidos os critérios do procurador-geral, seria preciso anular a Lava Jato.

Janot quer um terceiro mandato. Ele deveria, em vez disso, renunciar.

Publicidade