Clique e assine com 88% de desconto
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Fascistas de esquerda do Rio também merecem é cana!

Protestar em defesa de salários e até de benefícios indevidos é um direito assegurado pela Constituição; depredar patrimônio público e atacar a polícia é coisa de marginais da democracia

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 7 fev 2017, 10h58 - Publicado em 17 nov 2016, 04h09

A imoralidade da extrema direita só encontra correspondência na imoralidade da extrema esquerda. São parentes. “Ah, Reinaldo, então a verdade está no meio?” Como sempre digo, no meio, costuma estar uma pessoa certa que se viu na contingência de condescender com o erro. Como sabem, acho que a verdade está com a perspectiva liberal — que não abre mão das leis que temos, ainda que se possa lutar com muita energia pelas leis que queremos.

Por que digo isso? Vamos ver.

Um protesto de servidores do Estado do Rio contra o pacote de ajuste fiscal proposto pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) acabou em confronto com a Polícia Militar, em frente à Assembleia Legislativa. Os manifestantes derrubaram grades de proteção no entorno do local e tentaram invadir o prédio, mas foram contidos pela PM, que reagiu com bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta para dispersar o grupo.

Alguns vândalos lançaram rojão e sinalizadores contra a corporação, que precisou do apoio do Batalhão de Choque. A situação foi controlada no meio da tarde, quando o presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani (PMDB), deu início aos trabalhos.

Publicidade

Disse Pezão: “A violência não traz benefício. Essas medidas não são para prejudicar. Essas medidas são para garantir o calendário de 2017 e 2018. E não vai ser na violência. Depredação de prédio público não traz nenhum benefício. Essas pessoas que estão indo lá com violência, que levem ideias para dentro do parlamento, para resolver essa crise que não é só do Rio de Janeiro”.

Causou comoção na esquerda bocó um vídeo em que dois policiais do choque deixam a tropa para se juntar aos manifestantes, “mudando de lado”. Houve tonto achando que estava vivendo da Paris de 1968 ou que assistia a uma reedição da Revolução dos Cravos, em Portugal, ocorrida em 1974… Eu acho que foram apenas dois atos de indisciplina e que a dupla tem de ser expulsa da PM. Simples e objetivamente.

E por que falei da esquerda? Quando a Câmara foi invadida pelos cretinos que pediam golpe, gente como o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) ousou ver no ato até um reflexo da eleição de Donald Trump nos EUA e uma suposta ascensão da direita mundo afora… Pois é.

Alencar certamente se abstém de analisar o comportamento dos que promoveram a baderna no Rio porque, como se sabe, o seu partido, o PSOL, costuma estar na raiz de manifestações dessa natureza.

Publicidade

Ora, qual é a diferença entre os que praticaram delinquência no Rio e os que praticaram delinquência em Brasília? É só o sinal ideológico. Uns estão num extremo do espectro ideológico; os outros, no oposto. E todos eles ignoram as regras mínimas da civilidade democrática.

A exemplo do que defendo para Brasília, também os do Rio têm de ser identificados e de responder por seus atos. Mas podem apostar: daqui a pouco os apocalípticos de esquerda vão vociferar na imprensa contra o “fascismo de direita”, sem, no entanto, fazer qualquer objeção aos fascistas de esquerda.

Texto publicado originalmente às 22h50 desta quarta
Publicidade