Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Eles são obscenos até sobre 199 cadáveres.É da sua natureza! Por que não seriam sobre os cofres públicos arrombados?

No post anterior, escrevo sobre a delinqüência intelectual do secretário de Imprensa da Presidência, o senhor José Ramos Filho. Isso não é assim tão raro em Brasília, não é mesmo? Há uma clássico desse comportamento asqueroso. No dia 17 de julho de 2007, um Airbus A320-233, da TAM, proveniente de Porto Alegre, atravessou a pista […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 11h04 - Publicado em 16 ago 2011, 20h22

No post anterior, escrevo sobre a delinqüência intelectual do secretário de Imprensa da Presidência, o senhor José Ramos Filho. Isso não é assim tão raro em Brasília, não é mesmo? Há uma clássico desse comportamento asqueroso.

No dia 17 de julho de 2007, um Airbus A320-233, da TAM, proveniente de Porto Alegre, atravessou a pista do aeroporto de Congonhas e explodiu do outro lado da avenida, ao se chocar com um prédio da própria empresa. Morreram os 187 ocupantes do avião e mais 12 que estavam em solo. O Brasil vivia o auge do caos aéreo, uma das conquistas originais do petismo. A única preocupação do governo era provar que não tinha nada com isso.

O Jornal Nacional noticiou, no dia seguinte, que o avião tinha um problema no reversor direito. O defeito não teve qualquer relação com o acidente, mas foi o bastante para o então assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia, e Bruno Gaspar, seu homem de imprensa, reagirem como se nota abaixo.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=H9s1GSMY8OA&w=425&h=349]

Comemoração? À época, os jornalistas procuraram Marco Aurélio para que ele explicasse seu gesto. Depois de pedir um tempinho para assistir à própria performance,  explicou:
“Não aceito dizer que a gente comemorou. Foi um momento de extravasamento com a conclusão de que o acidente pode ter sido mais complexo do que em princípio chegaram a levantar. Foi uma reação de ‘poxa, tá vendo?’… Porque houve precipitação. Alguns setores tentaram atingir o governo politicamente e nos culpar. Agora está visto que não é bem assim”.

Ah, bom! Assim fica tudo explicadinho. Eles estavam pouco se lixando para a tragédia. Só a questão política importava. Voltem ao noticiário de então. O Apedeuta, que discursava  até em solenidade de coroamento de cabeça de bacalhau, desapareceu. Era tal o receio de se comprometer com o assunto que não expressou nem mesmo a natural soildariedade aos famiiares das vítimas. A solenidade ficou por conta da charmosa dupla Garcia &  Gaspar. Não tem jeito! Eles são quem são e só por isso estão juntos. É uma escolha, mas também é uma natureza.

Publicidade