Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Diretor da Odebrecht diz que o delator Ricardo Pessoa pediu a empreiteiras dinheiro para o PMDB

A nova frente de investigação aberta pelo Ministério Púbico e pela Polícia Federal parece ter potencial para fazer do PMDB o ator principal do “eletrolão”, que é o petrolão “versão Eletrobras”. Na apuração que tem a Petrobras como epicentro, o partido tende a surgir com um papel de destaque, mas não como o astro. Pode […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h50 - Publicado em 29 jul 2015, 23h40

A nova frente de investigação aberta pelo Ministério Púbico e pela Polícia Federal parece ter potencial para fazer do PMDB o ator principal do “eletrolão”, que é o petrolão “versão Eletrobras”. Na apuração que tem a Petrobras como epicentro, o partido tende a surgir com um papel de destaque, mas não como o astro. Pode ser diferente desta vez, o que só faz com que a crise se alastre.

Fábio Andreani Gandolfo, diretor superintendente da Odebrecht, afirmou à Polícia Federal, informa o Estadão, que Ricardo Pessoa, dono da UTC, que teve homologado o acordo de delação premiada, pediu ao consórcio Angramon, que vencera a licitação para a construção da Usina Nuclear de Angra 3, que contribuísse com a campanha do PMDB. Além da Odebrecht, compunham o consórcio a Camargo Corrêa, a UTC Engenharia, a Andrade Gutierrez, a Queiroz Galvão, a Techin e a EBE.

Gandolfo teria dito em reunião, segundo ele próprio, que tinha uma função técnica e que não se relacionava com partidos ou com políticos, opondo-se, assim, à contribuição — decisão, afirma, que foi mantida pela Odebrecht.

Dalton Avancini, que fez acordo de delação premiada, ex-presidente da Camargo Corrêa, já havia feito essa denúncia em depoimento, no âmbito da delação premiada. Foi a partir daí que a PF e o MP decidiram abrir a nova frente de investigação.

 

Continua após a publicidade
Publicidade