Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Cuidado! Marxilena Chaui, o Aiatolavo da esquerda, confessa: quer “enfiar um punhal” na nossa goela

A mulher dá a entender que um ser maligno está no comando. Não diz quem é. Vai ver se trata do capeta

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 9 fev 2017, 07h57 - Publicado em 20 maio 2016, 05h26
Marxilena em 2013: pode parecer que ela está fazendo careta, mas ela está pensando (Foto: Folhapress)

Marxilena em 2013: pode parecer que ela está fazendo careta, mas está pensando (Foto: Folhapress)

Cuidado! Não fique sozinho numa sala com Marilena Chaui, a, fazer o quê?, professora de filosofia na USP. Se você perceber que ela vem na sua direção, mude de calçada. Aquela que já declarou odiar a classe média parece ter rompido a linha que a separava da loucura. Ela confessa: está com vontade “enfiar punhal na goela das pessoas”. Marxilena desistiu do logos. Agora é guerra.

Esta senhora participou de um debate nesta quinta em São Paulo, informa a Folha. Segundo disse, a sociedade brasileira “está prontinha, acabadinha, para o universo fascista”. E ela explicou onde estão as evidências desse fascismo.

Estão no “verde-amarelismo dos coxinhas” e na “operação cotidiana, minuciosa que foi feita no campo ideológico de convencimento da teologia da prosperidade, da ideologia do empreendedorismo e, em particular, da concepção neoliberal do individualismo como competição bem-sucedida”.

Publicidade

Ah, entendi. Marxilena Chaui é certamente a única pensadora do mundo que conseguiu transformar o liberalismo numa expressão do fascismo.

Ela está nervosa porque até os petistas teriam sido contaminados. Afirmou: “A ideologia do empreendedorismo infelizmente não é só da bancada da Bíblia. A quantidade de petistas que eu vi defendendo e propondo seminários sobre empreendedorismo, debates sobre empreendedorismo, a questão do empreendedorismo… Dá vontade de chorar”. E foi nesse ponto que ela revelou seus institutos homicidas: “Dá vontade de pegar um punhal e enfiar na goela das pessoas”.

Marxilena é uma espécie de Olavo de Carvalho da esquerda. Ela não precisa provar o que diz. A prova de que ela está certa está no fato de que outros acreditam no que ela afirma.

Ela vê o Brasil pronto para o fascismo, mas, ao mesmo tempo, não enxerga o líder que poderia comandar a reação. Afirmou: “Eu diria que é um país tão infeliz que nós não conseguimos ter uma figura de autocrata capaz de preencher o papel, porque mesmo um cara como o [deputado federal Jair] Bolsonaro (PSC-RJ), que pode preencher esse lugar, tem um grau de pequenez tão ridículo que dificulta”.

Publicidade

Entenderam? É claro que não! Marxilena é a loucura sem método.

A mulher dá a entender que um ser maligno está no comando. Não diz quem é. Vai ver se trata do capeta. Ao abordar a integração do Ministério da Cultura ao da Educação, afirmou que o corte de gastos é só o motivo aparente. A verdadeira razão seria aniquilar a cultura popular.

E emendou:
“Não vou dizer que Michel Temer sabe disso, ele é muito ignorante, não faz ideia. Assopraram para ele que era para cortar, e ele cortou. Se for lá e perguntar, ele vai dizer que é só questão de enxugamento e redução de gastos. Mas quem mandou ele cortar sabe o que está fazendo”.

Quem terá sido? Que ente é esse que manda no Michel? Marxilena não diz. Assim como Olavo sabe que há uma inteligência superior que conduz o mundo para a esquerda e faz com que tudo suma no buraco negro do comunismo, Marxilena está convicta de que essa inteligência superior conduz o mundo para a direita e faz com que tudo seja engolido pelo buraco negro do neoliberalismo.

São loucuras opostas e complementares. Tanto ela como ele arregimentam lunáticos.

Publicidade

Aquela que agora revela seus pendores homicidas jura haver uma grande conspiração das bancadas do “boi, da bala e da Bíblia” para reduzir a maioridade penal, acabar com os direitos trabalhistas, aprovar a Lei Antiterrorismo e destruir o Estatuto do Desarmamento.

La na outra ala do hospício, Olavo garante que, pelas mesmas razões, o Brasil caiu no colo do Foro de São Paulo, com a ajuda do Reinaldo Azevedo, do MBL e do FHC.

Marxilena, como a chamava Bruno Tolentino, e Aiatolavo estão, finalmente, juntos.

No hospício!

Publicidade