Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Carvalho no Fórum Social: em junho, governo achou que o povo foi “ingrato”. Ou: Os sem-cura

Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e segundo homem mais importante no PT, falou, mais uma vez, no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre. Desta feita, na verdade, o evento se chama “Fórum Social Temático”, mas se trata apenas de uma derivação do FSM. Em sua intervenção de 2012, no dia 27 de janeiro, no mesmo […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 04h35 - Publicado em 24 jan 2014, 19h45
Gilberto Carvalho, o Gravata-Vermelha, não se emenda

Gilberto Carvalho, o Gravata-Vermelha, não se emenda

Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e segundo homem mais importante no PT, falou, mais uma vez, no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre. Desta feita, na verdade, o evento se chama “Fórum Social Temático”, mas se trata apenas de uma derivação do FSM. Em sua intervenção de 2012, no dia 27 de janeiro, no mesmo evento, este senhor fez declarações que geraram um quiproquó danado. Segundo ele, o PT deveria:
a: disputar a chamada “Classe C” com os evangélicos para impedir que ela migrasse para o conservadorismo. O “raciossímio” de Carvalho era este: o PT tirou essa gente da pobreza e agora não pode permitir que ela faça suas próprias escolhas. Mais: este gênio da razão, obviamente, tomava a política como uma religião e seu partido como uma igreja.
b: defendeu também que se criasse uma “mídia estatal” para a tal Classe C. Segundo disse, “essa gente não pode ficar à mercê da ideologia disseminada pelos meios de comunicação”.

Eis Carvalho. Os evangélicos foram pra cima dele. O homem teve de recuar, dizer que era tudo um mal- entendido. Marcou reuniões com lideranças religiosas e coisa e tal para assegurar que não era bem daquele jeito. Nota: do jeito como andam as coisas, o PT não precisa criar uma “mídia estatal” porque já tem uma.

Neste 2014, Carvalho foi menos confiante do que há dois anos e resolveu chamar o povo de “ingrato”. Afirmou, segundo informa a Folha: “Quando acontecem as manifestações de junho, da nossa parte, houve um susto. Ficamos perplexos. Quando falo ‘nós’, é o governo e também todos os nossos movimentos tradicionais. [Houve] uma certa dor, uma incompreensão, e quase um sentimento de ingratidão. [Foi como] dizer: ‘fizemos tanta por essa gente e agora eles se levantam contra nós’.”

Ainda que o tom de fala indique que aquele era um sentimento a ser superado, eis aí a revelação plena da relação que o PT mantém com o povo: o partido vê os brasileiros como seus devedores. A exemplo de todo partido de esquerda, não se conforma em ser uma força política que, de vez em quando, vence eleições para governar segundo os marcos institucionais que herdou — e, se for para mudá-los, apelar ao Congresso para isso. Não, não! O partido, para eles, substitui a sociedade, toma o seu lugar. Assim, um movimento de protesto que se volte contra o governo que eles lideram só poder ser visto como ingratidão ou traição.

Continua após a publicidade

Esse era o mesmíssimo sentimento que tinha um Stálin ou um Mao Tsé-tung. A sorte da brasileirada é que Carvalho e seus amigos são obrigados a governar segundo as regras da democracia — com as quais, de todo modo, eles não se conformam, daí coisas como o mensalão, por exemplo.

Ingratidão?
Ingratidão, é? Sei. Certamente esse foi o sentimento, mas só quando os protestos atravessaram as fronteiras paulistas, saltando rapidamente para o Rio, dali para toda parte, inclusive Brasília. Aí os petistas se deram conta da besteira que haviam feito quando, na prática, insuflaram os protestos em São Paulo, com a preciosa colaboração de José Eduardo Cardozo — e do próprio Carvalho, é bom deixar claro. Enquanto parecia que tudo não passava de uma disputa entre jovens líricos e a polícia de São Paulo, o PT estava lá, atiçando as ruas.

Na minha coluna na Folha de hoje, comento uma outra declaração infeliz deste senhor, segundo quem a reação negativa aos rolezinhos partiria da classe média racista, que não se conforma em ver um “bando de meninos negros e morenos”. Sim, ele usou a palavra “bando”.

Em Porto Alegre, voltou a se referir aos rolezinhos, de modo especialmente esquizofrênico. Reconheceu que os estabelecimentos já são espaços de lazer dos rolezeiros e falou em oferecer “alternativas”. Sim, sim… Alternativa de quê? O shopping não poderá dar uma boa escola. O shopping não poderá dar uma boa saúde. O shopping oferece o que lhe cabe oferecer: espaços de consumo e lazer — que têm de ser ocupados segundo regras que os frequentadores habituais, inclusive os agora rolezeiros, já conheciam e respeitavam.

Não tem jeito, não. Essa gente não tem cura. Não há remédio para certas doenças do espírito. Ah, sim: o pau voltou a comer nas ruas de Porto Alegre nesta quinta. A polícia assistiu a tudo, pacificamente. Fica para outro post.

Continua após a publicidade
Publicidade