Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Alta do dólar faz Copom elevar Selic de 9% para 9,5% ao ano

Na VEJA.com: O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) aumentou em 0,50 ponto porcentual, para 9,5% ao ano, a taxa básica de juros (Selic) nesta quarta-feira, em decisão unânime, sem viés – ou seja, a decisão é válida até o próximo encontro, em dezembro. Trata-se da quinta elevação consecutiva do juro básico da […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 16 fev 2017, 14h37 - Publicado em 9 out 2013, 21h51

Na VEJA.com:
O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) aumentou em 0,50 ponto porcentual, para 9,5% ao ano, a taxa básica de juros (Selic) nesta quarta-feira, em decisão unânime, sem viés – ou seja, a decisão é válida até o próximo encontro, em dezembro. Trata-se da quinta elevação consecutiva do juro básico da economia neste ano. A trajetória de alta teve início em abril, quando a autoridade monetária subiu a Selic de 7,25% (mínima histórica) para 7,5%. A decisão não surpreendeu o mercado financeiro, que apostava de forma quase unânime no aumento de 0,50 ponto. Trata-se da maior taxa de juros desde março de 2012.

No comunicado que acompanhou a decisão, o BC reafirmou que a inflação constitui um risco para a economia. “O Comitê avalia que essa decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano”. Votaram por essa decisão o presidente do BC, Alexandre Tombini, e os diretores Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim e Sidnei Corrêa Marques.

A decisão do Comitê ocorre no mesmo dia em que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de setembro foi divulgado, ficando em 0,35% no mês, acumulando um avanço de 5,86% em doze meses. Para o final de 2013, o mercado aposta que o IPCA recuará para 5,82%, indicando desaceleração, mas ainda acima do centro da meta de 4,5%. Para 2014, as expectativas apontam para o IPCA a 5,95%. “A inflação está vindo um pouco mais comportada, mas está próxima ao teto. Diante disso, acredito que a Selic fechará o ano em 10% e assim permanecerá em 2014″, afirma Pedro Galdi, analista da SLW Corretora.
(…)

Publicidade