Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

“Kadafi vencerá”, diz conselheiro de Obama

No Estadão Online: O general James Clapper, principal conselheiro de inteligência do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ontem acreditar que o líder líbio, Muamar Kadafi, sairá vitorioso da batalha contra rebeldes em seu país e permanecerá no poder. Em audiência no Senado em Washington, Clapper, que ocupa o cargo de diretor da Inteligência […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 12h37 - Publicado em 11 mar 2011, 06h05

No Estadão Online:
O general James Clapper, principal conselheiro de inteligência do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ontem acreditar que o líder líbio, Muamar Kadafi, sairá vitorioso da batalha contra rebeldes em seu país e permanecerá no poder.

Em audiência no Senado em Washington, Clapper, que ocupa o cargo de diretor da Inteligência Nacional, afirmou que as forças do governo da Líbia têm melhores equipamentos e estão mais treinadas que os oposicionistas do regime. Segundo ele, isso deve resultar na vitória de Kadafi no longo prazo. “Não creio que (Kadafi) tenha intenções de deixar o poder. Pelas evidências que temos, que estou disposto a discutir em sessão privada, parece que ele resistirá.”

As declarações foram imediatamente criticadas e o senador republicano Lindsey Graham pediu a renúncia do general. “As declarações prejudicam os interesses de segurança nacional americanos.” O senador avaliou que embora parte da análise de Clapper “possa se mostrar verdadeira”, não deveria ser feita num foro público, mas em uma “sessão a portas fechadas”.

O porta-voz da Casa Branca Jay Carney disse em coletiva que as declarações de Clapper foram “mal interpretadas” e que o diretor da Inteligência conta com a “plena fé e confiança” de Obama. Clapper é general aposentado da Força Aérea com 47 anos de experiência na área de inteligência e acesso às melhores informações que o orçamento de US$ 80 bilhões do serviço de espionagem americano pode oferecer.

Publicidade