Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Todos comprometidos

Quem aposta na derrubada de Rodrigo Janot para interferir na Lava-Jato pode dar um tiro no pé. Os quatro candidatos a procurador-geral da República que disputam as três posições da lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República se comprometeram com a continuidade da Lava-Jato. Carlos Frederico Santos, Mario Luiz Bonsaglia, Raquel Dodge e […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 00h51 - Publicado em 27 jul 2015, 09h23
Janot, no alto, à esquerda e, em sentido horário, Bonsaglia, Santos e Raquel: reta final da campanha

Janot, no alto, à esquerda e, em sentido horário, Bonsaglia, Santos e Raquel: reta final da campanha

Quem aposta na derrubada de Rodrigo Janot para interferir na Lava-Jato pode dar um tiro no pé. Os quatro candidatos a procurador-geral da República que disputam as três posições da lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República se comprometeram com a continuidade da Lava-Jato.

Carlos Frederico Santos, Mario Luiz Bonsaglia, Raquel Dodge e Rodrigo Janot já escreveram mensagens na rede privada dos procuradores com este teor.

Também postou mensagem semelhante o vice-presidente do Conselho Superior do MPF, Eitel Santiago de Brito Pereira, que pode assumir o comando da instituição caso Dilma atrase na indicação e o Senado, na aprovação do nome do próximo procurador-geral.

Quem está à frente da Procuradoria-Geral da República interfere diretamente nos casos dos políticos com foro no STF e no STJ e administrativamente na equipe da Lava-Jato no Paraná.

Continua após a publicidade
Publicidade