Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Relator do canabidiol rebate Damares: não se compadece com a dor do outro

Ministra anunciou que irá trabalhar contra texto, que autoriza plantio da cannabis para fins medicinais

Por Evandro Éboli Atualizado em 27 ago 2020, 13h37 - Publicado em 27 ago 2020, 12h33

Relator da comissão sobre medicamentos formulados com cannabis, o deputado Luciano Ducci (PSB-PR), que é médico, reagiu às declarações de Damares Alves, que atacou seu texto.

Ducci defende o plantio controlado, com segurança, fiscalização e regras rígidas. Proíbe, por exemplo, que a planta seja comercializada a pessoa física.

Ainda assim, a ministra diz “saber bem o que está por trás” da proposta: uma plantação em massa da maconha.

O relator diz que Damares não tem interesse em entender de fato a discussão,  prefere o debate ideológico e ignora a necessidade de milhares de pessoas.

“Estranho até, que uma pessoa como a ministra Damares, não se compadeça do sofrimento de milhares de pessoas, a maioria, crianças, que dependem deste remédio e não têm acesso a ele. O substitutivo quer que estes remédios sejam produzidos e distribuídos de graça pelo SUS a quem precisa”, disse Ducci.

Continua após a publicidade

Com o cultivo no Brasil, lembra o relator, se pretende incentivar a pesquisa e baratear o custo dos remédios, que estão em torno de R$2.500,00 por mês de tratamento.

“Precisamos que a sociedade ouça a voz de milhares de pessoas que precisam dos medicamentos à base de cannabis para viver. E não são poucas. A Anvisa estima que 13 milhões de pessoas sofram de alguma enfermidade para qual a cannabis é indicada. Isso representa quase 6% da população do país. Hoje, já são mais de 9 mil pessoas autorizadas pela agência a importar estes medicamentos”.

Ducci cita a primeira autorização legal no país para a importação do remédio: em 2014, uma mãe conseguiu essa autorização para tratar sua filha, que apresentava 80 convulsões por mês.

“Eu sempre me pergunto, os críticos não conseguem se colocar no lugar dessas famílias? E se fosse o filho, o neto deles?”

ASSINE VEJA

Aborto: por que o Brasil está tão atrasado nesse debate Leia nesta edição: as discussões sobre o aborto no Brasil, os áudios inéditos da mulher de Queiroz e as novas revelações de Cabral
Clique e Assine

 

Continua após a publicidade
Publicidade