Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Reformas ficam em segundo plano na agenda dos chefes do Congresso

Pacto de intenções divulgado por Pacheco e Lira sinaliza vagamente ao 'diálogo' sobre 'pautas de reativação da atividade econômica'

Por Robson Bonin Atualizado em 3 fev 2021, 11h38 - Publicado em 3 fev 2021, 10h21

Com sete parágrafos, a declaração conjunta dos chefes do Congresso a Jair Bolsonaro mostrou foco ao citar a oferta de vacina contra o coronavírus e o retorno do auxílio emergencial como prioridades de atuação das Casas neste momento.

A surpresa no texto, no entanto, ficou no que ele não disse. As reformas de Paulo Guedes não mereceram uma linha sequer.

Rodrigo Pacheco e Arthur Lira limitaram-se a avisar que estarão abertos ao diálogo para “discutir pautas de reativação da atividade econômica com o Poder Executivo, com a equipe econômica e com todos aqueles que queiram contribuir”.

Certamente não era esse tipo de compromisso vago que Guedes e seu time sonhavam ao vislumbrar uma vitória aliada do governo nas eleições do Senado e da Câmara.

Durante a campanha, tanto Pacheco quanto Lira revelaram preocupação com as agendas de Guedes, verdade seja dita. Eles também falaram nesta quarta, pela manhã, sobre a disposição de tornar a tramitação das matérias prioritária nas duas Casas. No texto a Bolsonaro é que devem ter esquecido de incluí-las nesse primeiro momento.

Continua após a publicidade
Publicidade