Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que aliados de Temer não acreditam em aliança com PSDB

'Ele vai defender o governo de Geddel Vieira Lima e Rocha Loures'

Por Gabriel Mascarenhas Atualizado em 4 dez 2017, 15h19 - Publicado em 4 dez 2017, 08h30

Geraldo Alckmin candidato. Michel Temer presidente. O cenário atual, em situações normais de temperatura e pressão, seria suficiente para apostar que eles estarão juntos em 2018.

E muito possivelmente estarão. No entanto, algumas pinguelas precisam ser reconstruídas e a confiança, estabelecida.

Temer não curou a mágoa provocada pela atuação de Alckmin durante a votação da primeira denúncia. Na verdade, a ausência de atuação para conseguir votos em favor do presidente.

Além disso, para apoiar o tucano, o peemedebista exigiria que ele defendesse o suposto legado do atual governo, algo que nem Jose Serra fez por Fernando Henrique Cardoso em 2002.

Uma figura do núcleo duro de Temer resume onde mora a desconfiança:

“Se Serra não defendeu o governo do Plano Real, o Alckmin vai defender o governo de Geddel Vieira Lima, Rocha Loures, que teve chuva de delações e Joesley Batista? Até parece”.

Na verdade, pouco importa o palanque onde o PMDB estará. A história mostra que, independente de que vença a eleição, o PMDB será governo.

Continua após a publicidade

Publicidade