Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Polícia descobre laranjal milionário do PROS em Goiás

Investigação remetida à Justiça Federal mostra que o partido teria usado empresas de fachada para desviar pelo menos 4 milhões de reais do fundo partidário

Por Hugo Marques - Atualizado em 13 dez 2019, 19h05 - Publicado em 13 dez 2019, 18h47

A Delegacia de Polícia de Planaltina de Goiás enviou à Justiça Federal goiana um extenso relatório sobre movimentações financeiras do Partido Republicano da Ordem Social (PROS) a partir de empresas de fachada que teriam sido usadas por caciques do partido para lavar dinheiro desviado do fundo partidário.

Segundo o delegado Cristiomário Medeiros, a investigação começou quando um dos supostos laranjas utilizados para abrir uma das empresas procurou a polícia para denunciar o esquema.

O suposto laranja relatou que em meados de 2017 o filho de um contador do PROS ofereceu 1.500 reais para que ele fosse admitido como sócio da empresa Sistema de Logística Virtual, registrada no interior de Goiás.

A empresa, segundo a polícia, recebeu 2 milhões de reais do PROS. Após a chegada do dinheiro a empresa mudou a razão social para Salão da Beth, mantendo o mesmo CNPJ.

Publicidade

Outra empresa usada no esquema é a Planalto Marketing e Serviços. Segundo o delegado, esta empresa recebeu 2 milhões de reais do PROS e depois mudou seu nome para Sapataria Gomes, mantendo o mesmo CNPJ.

Publicidade