Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pivô do afastamento de Witzel, ex-secretário pode perder condecoração

Martha Rocha pede a revogação da Medalha Tiradentes que ela mesma concedeu a Edmar Santos em 2016

Por Mariana Muniz Atualizado em 29 out 2020, 10h02 - Publicado em 29 out 2020, 10h25

Candidata à prefeitura do Rio e deputada estadual pelo PDT, Martha Rocha quer voltar atrás em uma honraria que concedeu em 2016 ao então diretor do Hospital Universitário Pedro Ernesto, Edmar Santos — a Medalha Tiradentes.

Como se sabe, o tempo passou e o homenageado Edmar não só virou secretário de Saúde do Rio como virou o pivô da debacle de Wilson Witzel do governo do estado. O hoje ex-secretário é apontado como chefe de uma organização criminosa, foi preso e agora ostenta a condição de delator.

A Tiradentes é a maior honraria dada pela Assembleia Legislativa do Rio e, segundo o regimento interno da Casa, “poderá ser concedida a personalidades nacionais ou estrangeiras que, de qualquer forma, tenham serviços prestados ao Estado do Rio de Janeiro, ao Brasil ou à Humanidade”. Credenciais que não combinam muito com a atual biografia de Edmar. 

Diante do desenrolar dos acontecimentos, nesta quarta-feira Martha encaminhou à presidência da Alerj um pedido de revogação do título. Explica a deputada: revogar a resolução que concedeu a homenagem “faz-se necessária por ser um Ato em que a ALERJ demonstra que, diante das circunstâncias atuais, aquele que comanda o dsvio de dinheiro público, não é digno de ser detentor da Medalha Tiradentes”.

Agora, o projeto precisa ser pautado e votado em plenário.

Continua após a publicidade
Publicidade