Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Picciani recebeu R$ 700 mil por mês de propina durante campanha de Pezão

Revelações bombásticas de delator Hudson Braga

Por Pedro Carvalho 28 abr 2018, 11h00

Ele não podia ficar de fora. Jorge Picciani é outra figura enroladíssima na delação de Hudson Braga.

O que ele revela é que, durante a campanha de 2014, Cabral e Pezão acertaram o pagamento de 700 mil reais mensais ao ex-presidente da Alerj.

Cabral teria revelado a Braga que este valor já era repassado mesmo antes da campanha.

Além disso, foram atendidos vários pedidos de Picciani para asfaltar e urbanizar ruas em redutos de aliados por todo o Rio de Janeiro.

Durante este período, o cacique pediu com muita insistência para que fossem transferidos recursos  da Seobras para o DER concluir um trecho da RJ 185, executadas por consórcio ligado justamente a Picciani. 70 milhões de reais teriam sido transferidos.

reprodução/Reprodução

Após a campanha, Picciani propôs outro negócio: operar o cemitério de Nova Iguaçu a União Norte, que havia executiva a obra anterior. Três reuniões depois com o prefeito Nelson Bornier e o negócio foi fechado. Hudson Braga receberia 10% do arrecadado, mas ele foi retirado do esquema a pedido dos técnicos.

Continua após a publicidade
Publicidade