Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pesquisadores da USP revelam que a pele pode ‘enxergar’

Novo trabalho apresenta uma funcionalidade do sistema fotossensível de melanócitos que pode subsidiar avanços na compreensão de doenças que acometem a pele.

Por Manoel Schlindwein - Atualizado em 16 jul 2020, 15h13 - Publicado em 16 jul 2020, 12h32

Um novo estudo da USP revelou uma funcionalidade do sistema fotossensível de melanócitos que pode subsidiar avanços na compreensão de doenças que afetam a pele, incluindo o câncer do tipo melanoma.

O trabalho, entitulado “Melanopsina participa da modulação de proliferação, pigmentação, apoptose e relógio molecular dependente de radiação UVA em melanócitos normais e malignos”, publicado pelo jornal BBA – Molecular Cell Research, enaltece a pesquisa brasileira com o estudo da melanopsina (OPN4).

ASSINE VEJA

Vacina contra a Covid-19: falta pouco Leia nesta edição: os voluntários brasileiros na linha de frente da corrida pelo imunizante e o discurso negacionista de Bolsonaro após a contaminação
Clique e Assine

Com o intuito de avaliar a funcionalidade desta proteína, melanócitos normais e malignos foram editados pela técnica CRISPR, criando-se células que possuem a versão funcional e não-funcional dela. Estas células foram expostas à baixas doses diárias de radiação UVA.

Os achados do grupo liderado pelos professores Ana Maria de Lauro Castrucci e Carlos Frederico Martins Menck, ambos da USP, demonstraram que a melanopsina é um sensor de radiação UVA que participa do processo de pigmentação. Outro resultado é que melanócitos malignos que não possuem essa proteína funcional são resistentes à morte induzida pela radiação UVA.

Continua após a publicidade

Na prática, o trabalho demonstra que uma proteína tipicamente encontrada na retina, a melanopsina, atua como uma espécie de sensor da luz. Uma vez encontrada na pele, observou-se que ela participa de importantes processos fisiológicos, como a pigmentação e a morte celular programada (apoptose). É por isso que os pesquisadores da USP mostram no trabalho que a pele, assim como os olhos, também pode “enxergar”.

Publicidade