Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pão e água

Enquanto Kátia Abreu destaca-se por ter portas abertas com Dilma Rousseff no Planalto, a bancada do PSD da Câmara é tratada a pão e água nos ministérios. Além de não conseguir arrancar do palácio um centavo furado na liberação de emendas, o líder Guilherme Campos diz que já está cansado de dar com a cara […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 08h12 - Publicado em 6 ago 2012, 09h21

Porta fechada

Enquanto Kátia Abreu destaca-se por ter portas abertas com Dilma Rousseff no Planalto, a bancada do PSD da Câmara é tratada a pão e água nos ministérios.

Além de não conseguir arrancar do palácio um centavo furado na liberação de emendas, o líder Guilherme Campos diz que já está cansado de dar com a cara na porta dos gabinetes ministeriais da Esplanada.

Só na semana passada, Campos tentou audiências com Pepe Vargas, no Desenvolvimento Agrário, com Mendes Ribeiro, na Agricultura, e com Gastão Vieira, no Turismo. Em todos os casos, o assunto pretendido era a liberação de emendas de bancada e restos a pagar. Sabe o que Campos conseguiu? Nada. Nem recebido foi. Ele ironiza:

— Está tudo muito bonito, tudo muito lindo, uma maravilha, mas não acontece nada no governo.

Continua após a publicidade
Publicidade