Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O que falta para Lula ficar completamente livre da Justiça

Ao longo dos últimos anos, foram 15 decisões que encerraram processos e procedimentos contra o ex-presidente petista

Por Robson Bonin Atualizado em 22 jun 2021, 11h31 - Publicado em 22 jun 2021, 06h03

Com o arquivamento da ação que tratava do suposto recebimento de propina de empresários em troca de vantagens no governo, o ex-presidente Lula ficou mais próximo de encerrar a longa lista de questões judiciais que enfrenta desde a saída do Planalto.

O petista responde atualmente a três ações, sendo duas em Brasília (caso dos caças da FAB e de verbas do BNDES para Odebrecht em Angola) e uma em São Paulo (outra linha de corrupção envolvendo verbas internacionais).

Uma delas, o dos caças, o petista usa mensagens da vaza-jato para pedir o trancamento. As outras, na avaliação da defesa, vão cair pelo mesmo problema de fragilidade da prova registrado na decisão da Justiça Federal do Distrito Federal que absolveu Lula na Operação Zelotes.

A leva de ações contra Lula na Lava-Jato do Paraná, praticamente liquidada pela decisão do STF de zerar o jogo e repassar os casos ao Distrito Federal, já não preocupa o petista. Devem cair com o tempo, segundo a defesa, tão logo Sergio Moro seja declarado suspeito nos casos de Lula.

LEIA TAMBÉM: Mais candidato do que nunca, Lula avisa que rodará o país

Ao longo dos últimos anos, foram 15 decisões que encerraram processos e procedimentos contra o ex-presidente Lula, com absolvição ou rejeição sumária de acusações e de hipótese acusatórias ou, ainda, que anularam processos. Quem tocou a defesa do petista nesses casos foi o advogado Cristiano Zanin Martins.

“Conseguimos provar ao longo do tempo que tudo aquilo que afirmamos no início da defesa técnica do ex-presente Lula estava correto. Diversas decisões reconheceram que Lula não praticou qualquer crime e estava sendo vítima de lawfare, que definimos em obra conceitual como o uso estratégico das leis para obter fins ilegítimos, de natureza política, geopolítica, comercial ou militar”, diz Martins.

O cemitério de ações contra o petista já tinha o quadrilhão do PT, acusação de compra do silêncio de Cerveró no famoso caso Delcídio do Amaral entre outros. Lula, como se vê, chegará na eleição de 2022 leve, leve.

Continua após a publicidade
Publicidade