Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Nuzman é cobrado por dívidas milionárias da Rio-2016

Ainda que a Olimpíada tenha sido um sucesso, Carlos Nuzman vive dias difíceis. O presidente do Comitê Organizador dos Jogos anda nervoso e tem recorrido a remédios para dormir. O estresse é causado pelas dívidas milionárias da festa. O Comitê Olímpico Internacional, por exemplo, deveria ter pago a Rio-2016 cerca de 1 bilhão de reais. […]

Por Da Redação - Atualizado em 7 fev 2017, 11h06 - Publicado em 13 nov 2016, 09h55
O calvário de Nuzman

O calvário de Nuzman

Ainda que a Olimpíada tenha sido um sucesso, Carlos Nuzman vive dias difíceis. O presidente do Comitê Organizador dos Jogos anda nervoso e tem recorrido a remédios para dormir.

O estresse é causado pelas dívidas milionárias da festa. O Comitê Olímpico Internacional, por exemplo, deveria ter pago a Rio-2016 cerca de 1 bilhão de reais. Só 30% disso foi efetivamente depositado.

Nuzman, inclusive, está de relações cortadas com Thomas Bach, presidente do COI. Em recente viagem a Genebra, cidade suíça sede da entidade, Bach fugiu de Nuzman alegando falta de agenda.

Publicidade

E a lista dos devedores não acaba por aí.

O governo federal prometeu  120 milhões de reais para as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos. Até agora, só entregou a metade disso.

Pior ainda fez o prefeito do Rio, Eduardo Paes. Ele havia acenado com 150 milhões para a Paralimpíada – desembolsou apenas 30 milhões. A quantia pagou os custos de passagens e hospedagem dos atletas. E só.

Diante desse cenário, os fornecedores do comitê não deixam Nuzman em paz. São ligações raivosas e até protestos na porta da Rio 2016 à espera dos pagamentos.

Publicidade

 

Publicidade