Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Na mira de aliados de Witzel, Tristão sai de férias para não ser demitido

Braço direito do governador do Rio sai de cena para poder acalmar ânimos no Legislativo

Por Mariana Muniz Atualizado em 1 jun 2020, 16h18 - Publicado em 1 jun 2020, 16h10

Considerado homem forte de Wilson Witzel, o secretário de Desenvolvimento Econômico Lucas Tristão entrou de férias para tentar recuperar a frágil relação do governo com a Assembleia Legislativa do Rio.

Interlocutores do governo atribuem as férias repentinas a uma tentativa de amenizar as pressões que Witzel vinha sofrendo para demitir Tristão – que virou desafeto casa legislativa desde o surgimento da suspeita de que teria implantado um esquema de dossiês contra os deputados.

A retomada de um bom relacionamento com a Alerj é vista como decisiva para o governador, que conta com cinco pedidos de impeachent nas mãos do presidente da casa, André Ceciliano.

A saída temporária de Tristão foi a maneira que Witzel encontrou para mantê-lo no governo. O secretário foi um dos alvos da Operação Placebo, da Polícia Federal, que atingiu o próprio governador, sob suspeita de desviar recursos públicos por meio de contratações irregulares na saúde.

Na ausência de Tristão, o cotado para assumir como secretário adjunto é outro nome forte e discreto do governador, Ramon Neves.

Continua após a publicidade
Publicidade