Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mostra revela cartas inéditas do acervo de Tristão de Ataíde

Correspondências do imortal que denunciou abusos da ditadura serão levadas a escolas

Por Mariana Muniz - 27 fev 2020, 06h14

O legado de luta contra a ditadura do imortal Alceu Amoroso Lima – o Tristão de Athayde – será levado para as salas de aula nos próximos dias.

Seu neto, Xikito Ferreira, promove uma jornada para alunos e professores do Ensino Médio mostrando como a atuação do avô pode ajudar os jovens a entenderem o Brasil de hoje sem esquecer o passado.

Uma das palestras será do pesquisador e escritor Leandro Garcia, que lembrará que Alceu escreveu denúncias em seus artigos nos jornais.

Uma carta inédita de 1975 escrita pela mãe de uma presa política pedindo a ajuda do escritor será apresentada aos jovens. “Continuamos a ignorar o paradeiro de nossa filha. Já não podemos suportar a incerteza”, diz Felicia Mardini de Oliveira em um dos trechos.

Continua após a publicidade

Isis Dias de Oliveira havia sido levada para o DOI-CODI. Anos mais tarde, sua morte foi confirmada. Ela foi uma das vítimas da chamada “Casa da morte”, em Petrópolis. 

 

Reprodução/Reprodução

 

Publicidade