Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mais escritórios 1

O mais recente relatório da Colliers International sobre o mercado de escritórios do Rio de Janeiro mostra que os prédios de escritórios cariocas tiveram mais salas vazias no segundo semestre. Entre abril e junho, com o metro quadrado nos imóveis das classes A+ e A custando 122 reais, a área desocupada foi 13 000m² maior […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 02h26 - Publicado em 19 dez 2014, 13h05
porto

O Port Corporate, na zona portuária do Rio

O mais recente relatório da Colliers International sobre o mercado de escritórios do Rio de Janeiro mostra que os prédios de escritórios cariocas tiveram mais salas vazias no segundo semestre.

Entre abril e junho, com o metro quadrado nos imóveis das classes A+ e A custando 122 reais, a área desocupada foi 13 000m² maior que a ocupada; na classe B, com custo de 95 reais por metro quadrado, a área desocupada foi 20 000m² maior que a ocupada.

Já no terceiro trimestre, impulsionada pela queda nos preços e a abertura de novos empreendimentos, a ocupação das salas se recuperou. Com o preço do metro quadrado nos escritórios A e A+ caindo 3%, a área ocupada foi 15 000m² maior que a desocupada. Os imóveis da classe B, que ficaram 2,5% mais baratos, também aumentaram a área ocupada, embora a área desocupada tenha sido 6 000m² maior.

Comparado ao primeiro trimestre de 2014, o preço do metro quadrado nos escritórios de alto padrão no Rio caiu 5% entre julho e setembro. Fazendo a mesma comparação sobre os escritórios mais simples, alugar na cidade ficou 6,5% mais barato no terceiro trimestre.

Além disso, a Colliers contabilizou que o Rio ganhou 163 000 metros quadrados em edifícios corporativos até setembro. Nos últimos três meses de 2014, a previsão é de mais 8 000 metros quadrados entregues para uso.

A taxa de disponibilidade nas salas de alto padrão entre julho e setembro foi de 20,5% da área construída, um aumento de sete pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre e quatro pontos sobre o segundo. Os escritórios de classe B tiveram taxa de disponibilidade de 8,8%.

Com dois prédios corporativos recém-inaugurados, a zona portuária tem a maior taxa de disponibilidade, 40%, seguida por Flamengo, com 41%, e a Barra da Tijuca, com 28% da área disponível.

Continua após a publicidade
Publicidade