Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lupi visitará Flávio Dino no Maranhão em aceno ao PSB

Presidente do PDT tenta manter Ciro Gomes forte no campo da esquerda

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 13 jul 2021, 17h29 - Publicado em 14 jul 2021, 10h30

O presidente do PDT, Carlos Lupi, viajará ao Maranhão na semana que vem para uma visita ao governador Flávio Dino (PSB). 

A ideia é manter o nome de Ciro Gomes forte no campo da esquerda para as eleições do ano que vem, apesar de o presidenciável marcar cada vez mais sua posição ao centro, com ataques tanto a Lula quanto a Bolsonaro.

Outra parte desse plano é fortalecer o PDT nos estados do Nordeste antes mesmo das alianças nacionais serem sacramentadas. Lupi já viajou a pelo menos cinco estados da região para que Ciro possa “ter campo por lá”, segundo o presidente da legenda relatou a interlocutores.

Dino, Lupi e Ciro têm uma relação de proximidade. Em 2015, por exemplo, os três lançaram juntos um manifesto contra o impeachment de Dilma Rousseff. No plano local, o PDT articula para que Dino tente no ano que vem uma cadeira ao Senado e apoie o senador do PDT Weverton Rocha ao cargo de governador do Maranhão.

Apesar da possibilidade de aliança entre o PDT e o PSB em vários estados, ainda não está definido como os partidos e os atores regionais vão se relacionar na disputa pela presidência. Nesse momento, Dino está mais alinhado a Lula do que a Ciro.

O governador disse em junho que Ciro desempenharia papel mais importante na eleição se ficasse na esquerda e que sua posição no centro “é roupa que não lhe cabe”. A fala ocorreu justamente por ocasião da filiação de Dino ao PSB com a perspectiva da formação de uma aliança em torno da candidatura de Lula. O PDT desde o início marcou posição distante desse movimento.   

Lupi tem dito a alguns interlocutores que, a despeito das pesquisas mostrarem pouca chance para a terceira via no ano que vem, Bolsonaro irá desidratar ainda mais até o pleito de outubro, o que alimenta a esperança dentro do partido de um possível embate entre Lula e Ciro Gomes no segundo turno, cenário que, de tão remoto, não foi simulado na pesquisa Datafolha da última sexta. O PDT acredita que as chances de Ciro no segundo turno são maiores contra Lula do que contra Bolsonaro.  

Continua após a publicidade
Publicidade