Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Logística para transporte de oxigênio hospitalar preocupa governo

Senacon e Anvisa se reuniram para tratar do risco de desabastecimento do produto usado no tratamento da Covid-19

Por Mariana Muniz Atualizado em 18 mar 2021, 13h47 - Publicado em 18 mar 2021, 13h30

A Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon), órgão do Ministério da Justiça, e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reuniram nesta quinta-feira para pensar soluções para garantir o abastecimento de oxigênio hospitalar, considerando o grande aumento da demanda pelo produto no momento de recrudescimento da pandemia — e os desafios logísticos para garantir o fornecimento do produto em todo o território nacional.

Em janeiro, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor da Senacon notificou as principais fornecedoras de oxigênio medicinal e recebeu a informação de que a demanda aumentou abruptamente entre o fim de 2020 e o início de 2021.

De acordo com a secretaria, há evidências de que a oferta do produto na região Norte é restrita, além de apresentar grandes desafios de distribuição logística em virtude do acesso à região ser feito de maneira primordial por via fluvial, sem a presença dos modais rodoviário e ferroviário.

Agora, após nova rodada de notificações para as empresas a respeito da capacidade de atendimento para a demanda das outras regiões do país, Senacon e Anvisa concluíram que o principal desafio é de ordem logística: garantir que a produção nacional de oxigênio hospitalar alcance todas as regiões do país, conforme as respectivas necessidades, no tempo e na forma adequadas.

Continua após a publicidade

Publicidade