Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Justiça do Rio censura Record em caso de crime passional

Decisão levou em consideração influência de matéria jornalística sobre membros do júri popular, que vai se reunir em setembro

Por Mariana Muniz Atualizado em 30 jul 2020, 10h02 - Publicado em 30 jul 2020, 09h34

A Justiça do Rio determinou que a emissora Record TV se abstenha de exibir a imagem e de mencionar os nomes de Ieda Cristina Martins da Silva e de Eduardo Tadeu Martins, acusados de matar o ex-marido de Ieda, José Farias, em 2012.

O crime teve muita repercussão na época pelo fato de o casal já estar respondendo por outro homicídio em São Paulo.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

A defesa dos réus alegou que o programa Domingo Espetacular estaria preparando uma matéria jornalística sobre o caso, o que poderia influenciar os jurados que participarão do júri dos dois, marcado para setembro deste ano.

Na decisão, a Justiça considerou o princípio da presunção de inocência. A multa em caso de descumprimento da emissora é de R$ 100 mil.

Continua após a publicidade

Publicidade