Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Hora da verdade

Horas antes da votação do projeto de extinção dos 14º e 15º salários, no cafezinho da Câmara, Francisco Escórcio Lima, do PMDB maranhense, propalava em altíssimo e bom som a injustiça a que ele e seus colegas estavam sendo submetidos com o iminente fim da boquinha. Sem nenhum constrangimento. Argumentava Escórcio, prometendo iniciativas contra o […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 06h47 - Publicado em 27 fev 2013, 16h24

Mal remunerado?

Horas antes da votação do projeto de extinção dos 14º e 15º salários, no cafezinho da Câmara, Francisco Escórcio Lima, do PMDB maranhense, propalava em altíssimo e bom som a injustiça a que ele e seus colegas estavam sendo submetidos com o iminente fim da boquinha. Sem nenhum constrangimento.

Argumentava Escórcio, prometendo iniciativas contra o corte da mordomia:

– Vou fazer um requerimento pedindo a criação do 16º salário. Sem o 14º e o 15º, o que vou dizer às pessoas humildes que vão ao meu gabinete pedindo passagens aéreas, remédios e outras coisas? Vou tirar esse dinheiro de onde?

Não contente, Escórcio resolveu atirar contra o que chamou de hipocrisia:

– Falar que termos 14º e 15º é injustiça… Quer justiça? Proponha trocar seu salário com o da sua empregada.

Por mais absurdo que sejam, as palavras de Escórcio não chegam a surpreender.

Continua após a publicidade
Publicidade