Clique e assine com 88% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Exposição de revanche da Bancada da Bala: “PM é mantenedora da democracia”

Evento é "direito de resposta" à imagem de um policial executando jovem negro, exibido ano passado pela esquerda

Por Evandro Éboli - Atualizado em 24 jan 2020, 16h25 - Publicado em 24 jan 2020, 15h25

Financiada pela Bancada da Bala e organizada pela Polícia Militar, será instalada no início de fevereiro no corredor principal da Câmara a exposição que enaltece o papel da PM em todo o país.

É uma resposta à exposição promovida por parlamentares de esquerda sobre o Dia da Consciência Negra, que culminou com um deputado destruindo um cartaz onde um policial aparece executando um jovem negro.

A presidência da Câmara concedeu esse “direito de resposta”, aos parlamentares ligados a segurança pública.  Para ser o curador, foi escolhido um oficial da instituição, o tenente-coronel Lazaro Tavares Silva, de Minas Gerais.

O tema já foi escolhido: “Polícias Militares do Brasil: as principais mantenedoras do Estado Democrático de Direito e da Governabilidade”.

Publicidade

Já foram escolhidos imagens, vídeos e mensagens que serão expostas. Serão ações das PMs junto às comunidades e exibição de estatísticas com redução da violência no país em 2019.

Segundo o curador, será citado que o policial é também alvo de violência.

“Apesar de termos cenas muito fortes de policiais sendo vitimados, elas, a princípio, não serão exibidas no corredor. Mas será lembrado que o PM é vítima sim de muita violência. É arriscado colocar sangue na tela. Naquele corredor, o público é flutuante, diverso”, afirmou o curador ao Radar.

O tenente Lázaro assegura que não se trata de uma “revanche”, mas sim de um “direito de resposta”.  E diz que não haverá provocações e retaliações ao quadro polêmico. Ele criticou a imagem que gerou polêmica da outra exposição.

Publicidade

“Aquele material atentava, conspurcava a imagem das PMs. Trazia a gravura de um policial armado supostamente matando um cidadão numa comunidade. Por isso, esse direito de resposta. Vamos responder a isso, mas não se trata de contra-atacar. Nossa ênfase será no que a PM faz de melhor  no país”.  .

Para ele, a imprensa mostra apenas o lado negativo. E critica associação da ação da PM a práticas da ditadura mlitar.

“Agora, é hora de mostrar o que fazemos de melhor. Não existe, ao contrário do que falam, resquícios de ditadura nas PMs. Nenhum policial na ativa hoje viveu os anos de chumbo. O tempo de serviço é de 30 a 32 anos. Vamos mostrar que a polícia é garantidora da democracia e do estado de direito”.

Abaixo, o quadro que irritou a Bancada da Bala.

Publicidade
Evandro Éboli/VEJA

 

 

 

 

Publicidade