Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Eleições racham a igreja Assembleia de Deus

Henrique Meirelles, Flavio Rocha e Jair Bolsonaro tentam garantir fatia dos votos evangélicos

Por Pedro Carvalho 12 abr 2018, 14h02

A Assembleia de Deus rachou. E isso acirra a disputa pelos milhões de votos evangélicos dessa congregação.

Há décadas, o presidente é o pastor José Wellington, mas uma das principais lideranças era Samuel Câmara. Acontece que Samuel saiu da aba do Zé Wellington e criou um novo ministério, chamado Convenção das Assembleias de Deus do Brasil.

Sob seu comando, já há 5 mil igrejas que eram do ministério Belém.

Quase que como regra, a sucessão no comando das igrejas evangélicas se dá entre a família. E o Zé Wellington tem pelo menos dois filhos – ambos com mandato político – que poderiam assumir o comando da AD Belém. Agora, com esse racha, o cenário muda completamente.

Lembrando que esse é um eleitorado disputadíssimo. Henrique Meirelles, Flavio Rocha e Jair Bolsonaro já estavam tentando garantir sua fatia.

Continua após a publicidade
Publicidade