Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

É oficial! Lava-Jato acaba no Paraná e investigações passam ao Gaeco

'O legado da Força-Tarefa Lava Jato é inegável e louvável', disse Alessandro José de Oliveira, coordenador do núcleo da Lava-Jato

Por Robson Bonin Atualizado em 3 fev 2021, 10h31 - Publicado em 3 fev 2021, 10h30

Desde 1º de fevereiro, a Lava-Jato no Paraná passou a integrar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Federal.

Alguns integrantes da Lava-Jato ainda irão atuar no Gaeco, com o objetivo de dar continuidade aos trabalhos, mas a histórica força-tarefa paranaense deixa de existir.

“Até o fim de janeiro, em quase sete anos de dedicação ao combate à corrupção, a operação acumula números significativos que revelaram para a sociedade os crimes de corrupção que assolam historicamente o Brasil. Foram 79 fases, 1.450 mandados de busca e apreensão, 211 conduções coercitivas, 132 mandados de prisão preventiva e 163 de temporária. Durante as fases, foram colhidos materiais e provas que embasaram 130 denúncias contra 533 acusados, gerando 278 condenações (sendo 174 nomes únicos) chegando a um total de 2.611 anos de pena. Foram também propostas 38 ações civis públicas, incluindo ações de improbidade administrativa contra três partidos políticos (PSB, MDB e PP) e um termo de ajuste de conduta firmado”, diz o comunicado da Lava-Jato.

Foram ainda “735 pedidos de cooperação internacional – sendo 352 pedidos a outros países (ativos) e 383 passivos (solicitações de outros países ao MPF). Em 2015 foram 66 ativos e oito passivos, enquanto que em 2019 foram 67 ativos e 133 passivos”. “A evolução desses dados demonstra a seriedade e eficiência da operação, que passou a cooperar com investigações no mundo todo”, diz a Lava-Jato.

Segundo levantamento do MPF, “mais de 4,3 bilhões de reais já foram devolvidos por meio de 209 acordos de colaboração e 17 acordos de leniência, nos quais se ajustou a devolução de quase 15 bilhões de reais”.

“O legado da Força-Tarefa Lava Jato é inegável e louvável considerando os avanços que tivemos em discutir temas tão importantes e caros à sociedade brasileira. Porém, ainda há muito trabalho que, nos sendo permitido, oportunizará que a luta de combate à corrupção seja efetivamente revertida em prol da sociedade, seja pela punição de criminosos, pelo retorno de dinheiro público desviado ou pelo compartilhamento de informações que permitem que outros órgãos colaborem nesse descortinamento dos esquemas ilícitos que assolam nosso país há tanto tempo”, afirma Alessandro José de Oliveira, coordenador do núcleo da Lava Jato no Gaeco.

Continua após a publicidade
Publicidade