Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

De olho em 2022, Freixo visita redutos bolsonaristas no interior do Rio

Deputado tentará se eleger a governador nas eleições do ano que vem; visitas começarão pelas litorâneas Angra dos Reis, Paraty e Mangaratiba

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 14 out 2021, 17h30 - Publicado em 15 out 2021, 13h30

O deputado federal Marcelo Freixo (PSB) começará neste final de semana uma rodada de visitas a cidades do interior com o objetivo de consolidar sua futura candidatura ao governo do Rio no ano que vem. A iniciativa ocorre no momento em que o governador Cláudio Castro tem rodado o estado em agendas oficiais. O virtual candidato do grupo do prefeito Eduardo Paes (PSD), o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, também já começou a visitar algumas cidades da região metropolitana. A avaliação no Rio é que Freixo é o mais conhecido dos candidatos postos até agora, mas há a necessidade de ampliar a presença em algumas regiões, principalmente naquelas em que Jair Bolsonaro é popular, como no interior e na Baixada Fluminense. 

Neste final de semana, o deputado começa um giro pela chamada Costa Verde, região que inclui as cidades de Angra dos Reis, Paraty e Mangaratiba. A área de Angra dos Reis e Mangaratiba é um dos currais eleitorais de Bolsonaro e sua família, que possui uma casa de veraneio e empregados na região. O presidente prometeu transformar as cidades litorâneas em algo como uma “Cancún brasileira”, projeto que não saiu do papel ainda.    

Na corrida pelo interior, Freixo terá o apoio logístico do PT em locais em que o seu PSB não tem tanta capilaridade. A região da Costa Verde tem sofrido muito com o aumento da violência armada motivada por traficantes de drogas e milicianos que disputam o controle das comunidades carentes dessas cidades. Segundo interlocutores, Freixo pretende discutir o assunto, entre outros motivos, para marcar a diferença de como abordar a violência em relação a Bolsonaro. Freixo articula para ter o apoio do ex-presidente Lula e de atores políticos de esquerda e de centro em torno de sua candidatura no ano que vem.

Publicidade