Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

CUT faz pesquisa para verificar se discurso sobre prisão de Lula ‘colou’

Central ligada ao PT desembolsa 142,5 mil reais pelo trabalho e pergunta se eleitor concorda com trechos da carta escrita pelo ex-presidente

Por Gabriel Mascarenhas - 22 Maio 2018, 07h27

A CUT encomendou uma pesquisa ao VOX/Populi para tentar descobrir se o eleitor absorveu a tese do PT de que Lula foi vítima de uma injustiça ao ser preso.

A entidade, umbilicalmente ligada ao partido, quer saber, por exemplo, se o brasileiro acredita que havia provas suficientes para a condenação e o que ele pensa a respeito do desempenho de Sergio Moro no processo do Triplex.

O questionário mantém o nome do ex-presidente em todos os cenários eleitorais, de primeiro e segundo turnos, que serão oferecidos ao entrevistado.

Os demais institutos, obviamente, costumam testar situações com e sem o petista na lista de candidatos à presidência.

A pesquisa, pela qual a CUT desembolsará 142,5 mil reais, busca verificar até a aceitação da população à carta escrita por Lula da cadeia.

Continua após a publicidade

A Central instará o sujeito a opinar sobre a versão de que Lula não cometeu crime algum e, por isso, não poderia estar atrás das grades, como ele própria sustentou na mensagem enviada à Gleisi Hoffmann.

Em outro item perguntará se o eleitor acha que o ex-presidente deve disputar a eleição ou indicar o nome de um aliado.

O resultado do levantamento, seja ele qual for, terá duas serventias.

A primeira, apenas para consumo interno, deixar claro o quanto os mantras petistas colaram junto à população.

Além disso, é claro, a CUT usará parte das respostas para vender a ideia de que não há um cidadão no mundo que concorde com a prisão de Lula e que o ex-presidente seria eleito por aclamação para retornar ao Planalto contra qualquer adversário.

Continua após a publicidade
Publicidade