Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

CPI musical

Nesta manhã, Randolfe Rodrigues e Lindbergh Farias postaram-se no plenário da CPI do Ecad, no Senado, para ouvir depoimentos da investigação sobre irregularidades na distribuição de direitos autorais. Colocado em xeque, o presidente da Sociedade Brasileira de Administração e Proteção dos Direitos Intelectuais, Jorge de Souza Costa, iniciou seu depoimento com uma apresentação que desmontou […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 10h33 - Publicado em 6 out 2011, 17h29

Nesta manhã, Randolfe Rodrigues e Lindbergh Farias postaram-se no plenário da CPI do Ecad, no Senado, para ouvir depoimentos da investigação sobre irregularidades na distribuição de direitos autorais. Colocado em xeque, o presidente da Sociedade Brasileira de Administração e Proteção dos Direitos Intelectuais, Jorge de Souza Costa, iniciou seu depoimento com uma apresentação que desmontou o clima tenso da CPI.

No PowerPoint da comissão, Costa exibiu vídeos com declarações dos cantores Sérgio Reis, Dudu Nobre e Zezé Mota. Randolfe quase enlouqueceu ao ver, em plena CPI, Sérgio Reis cantando “Coração de Papel” e Dudu Nobre levando no cavaquinho “essa família é muito uniiidaaaa…” para defender o Ecad. A apresentação terminou com Zezé Mota dando uma palhinha de “Senhora liberdade” e o aviso de Costa:

– Estes artistas estão dispostos a vir aqui falar do Ecad, se for necessário.

Foi quando Randolfe perdeu a paciência:

– Quando a CPI quiser, ela convocará o Sérgio Reis, o Dudu Nobre e a Zezé Mota.

Continua após a publicidade
Publicidade