Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Contas muito enroladas

No dia em que deu adeus ao PT, Marina Silva afirmou que não acredita mais em partidos perfeitos. É bom que não tenha ilusões. Na seara verde, há uma série de encrencas com a direção nacional. Para se ter ideia, o PV até hoje não conseguiu aprovar as contas referentes ao fundo partidário de 2005. […]

Por Da Redação - Atualizado em 22 fev 2017, 13h34 - Publicado em 22 ago 2009, 02h14
Um verde complicado | Penna: passagens de avião para o irmão e a mulher com o dinheiro do partido<BR>Foto: Rafael Neddermeyer/AE

Um verde complicado | Penna: passagens de avião para o irmão e a mulher com o dinheiro do partidoFoto: Rafael Neddermeyer/AE

No dia em que deu adeus ao PT, Marina Silva afirmou que não acredita mais em partidos perfeitos. É bom que não tenha ilusões. Na seara verde, há uma série de encrencas com a direção nacional. Para se ter ideia, o PV até hoje não conseguiu aprovar as contas referentes ao fundo partidário de 2005. No início do mês, o ministro Arnaldo Versiani, do TSE, voltou a pedir explicações ao PV. Motivo: os técnicos mantiveram a orientação pela desaprovação das contas. As suspeitas giram em torno de José Luiz Penna, há dez anos presidente do partido. O TSE constatou que houve desde a doação de passagens aéreas para a mulher e o irmão até o fretamento de um jato e o uso de notas fiscais de empresas-fantasma.

Leia a coluna completa da edição impressa

Publicidade