Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Chinês apontado como operador da Odebrecht delata advogados nos EUA

Wu-Yu Sheng alega que advogados o abordaram em 2016 para representá-lo em processos em Curitiba; o problema é que não havia processo nenhum

Por Pedro Carvalho - 21 mar 2019, 10h27

Apontado como operador da Odebrecht, Wu-Yu Sheng, radicado nos Estados Unidos desde 2014, denunciou os advogados que o defenderam da Lava-Jato.

Em 2016, Wu foi abordado por um grupo de defensores dizendo que ele estava sendo processado em Curitiba e se dispuseram a representá-lo. O chinês desembolsou 500 mil dólares pelo serviço.

O problema é que até hoje o suposto operador não foi processado no Paraná, como teriam dito seus advogados. A primeira – e até agora única – denúncia veio na “Operação Câmbio, Desligo”, em 2018, no Rio de Janeiro.

Foi justamente na operação fluminense que Juca Bala, também apontado como doleiro, delatou o advogado Antonio Figueiredo Basto, que teria cobrado propina em troca de proteção das autoridades.

Publicidade

O que o “dragão” da Odebrecht diz às autoridades norte-americanas é que a prática pode ser mais comum do que se imagina.

Publicidade