Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cara-de-pau

Em condições normais de temperatura e pressão, hoje o Senado votaria uma Medida Provisória e duas propostas de alta relevância. São elas: a MP da Alfabetização, PEC das empregadas domésticas (votação do segundo turno), item que mexe com o orçamento de nove entre dez famílias brasileiras e com o futuro de milhares de trabalhadores, e […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 06h36 - Publicado em 26 mar 2013, 10h33

Expectativa de quorum

Em condições normais de temperatura e pressão, hoje o Senado votaria uma Medida Provisória e duas propostas de alta relevância.

São elas: a MP da Alfabetização, PEC das empregadas domésticas (votação do segundo turno), item que mexe com o orçamento de nove entre dez famílias brasileiras e com o futuro de milhares de trabalhadores, e o projeto com as novas regras de partilha do Fundo de Proteção aos Estados (FPE), aquele mesmo que o Judiciário deu prazo – e que não foi cumprido – para o Legislativo apreciar.

Sim, mas ontem, segunda-feira, os pouquíssimos senadores que deram as caras no Congresso só falavam em uma variável que pode ameaçar a apreciação das propostas: possibilidade de falta de quorum, por incrível que pareça.

Renan Calheiros define:

– Em relação à PEC, já há consenso, e sobre o FPE, sempre encontraremos divergências. Mas se houver número necessário de parlamentares, vamos votar as duas.

Para quem não está acreditando, é isso mesmo: teme-se que o feriado de sexta-feira – daqui a longos três dias – esvazie a Casa na terça-feira e na quarta-feira.

Na quinta-feira, já é mais do que sabido que não haverá um parlamentar em Brasília.

Continua após a publicidade
Publicidade