Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Canetada de juiz do DF na CPI é ‘liminar cloroquina’, diz Randolfe

O senador disse achar que a decisão não resistirá em instâncias superiores e é "uma interferência indevida"

Por Gustavo Maia 26 abr 2021, 20h34

Prestes a entrar em uma reunião com outros integrantes da CPI da Pandemia no Senado, na noite desta segunda-feira, o senador Randolfe Rodrigues classificou a decisão da Justiça Federal no DF contra Renan Calheiros como uma “liminar cloroquina”, em referência ao medicamento defendido pelo presidente Jair Bolsonaro contra a Covid-19.

“É uma liminar cloroquina. Tratamento precoce sem eficácia comprovada e com efeitos colaterais gravíssimos. Eu acho que não resiste. E é uma interferência indevida”, declarou Rodrigues, que foi o autor do requerimento da CPI e é líder da oposição ao governo Bolsonaro no Senado.

A decisão foi tomada no início da noite pelo juiz de primeira instância Charles Renaud Frazão de Moraes, que atendeu a um pedido da deputada bolsonarista Carla Zambelli. Calheiros prometeu recorrer.

A reunião desta segunda, véspera da instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito, ocorre na casa do senador Omar Aziz, escolhido em acordo para presidir o colegiado.

Continua após a publicidade
Publicidade