Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Brasileira relata drama no aeroporto do Chile: “me sinto sequestrada”

Voos estão sendo cancelados e com toque de recolher e situação do país, passageiros não vão para as ruas

Por Evandro Éboli - 20 out 2019, 23h32

Uma brasileira de 70 anos que viaja da Austrália para o Brasil, com conexão no Chile, vive momentos de sobressaltos no Aeroporto de Pudahuel, em Santiago. Ela chegou neste domingo naquele país.

Ela contou ao Radar que centenas de pessoas estão presas no aeroporto, com voos cancelados e sem poder deixar o local. A brasileira pediu para não ser identificada dada a situação daquele país, que vive sob toque de recolher.

No aeroporto, ela, e os demais passageiros, receberam um documento de salvo conduto da polícia de investigação e de migração chilena, que informa que o cidadão entrou legal no país.

A brasileira viaja pela Latam, que cancelou vários voos e informou que não há previsão de seu embarque para o Brasil. A empresa informou em suas redes sociais que está havendo ajuste nos voos.

Continua após a publicidade

“É uma situação inusitada. Ninguém entra ninguém sai no aeroporto. Todos os voos foram cancelados. Há uma multidão aqui dentro. As lojas não têm comida para todo mundo. Acabou. Tem pessoas doentes, velhos e crianças. O país está sob estado de sítio, com toque de recolher. Me sinto presa. Deram um salvo conduto, se alguém quiser se arriscar lá fora. Terá uma greve geral. Numa me senti sequestrada. Me sinto dessa vez”, contou a brasileira.

Abaixo, o salvo conduto da polícia chilena para os estrangeiros.

///VEJA

 

Publicidade