Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Auxiliares de Bolsonaro dizem que Weintraub quer sair como mártir do MEC

Ministro da Educação investe na narrativa de perseguido pelo sistema para esconder a ruína administrativa de sua gestão no governo

Por Robson Bonin Atualizado em 15 jun 2020, 16h29 - Publicado em 15 jun 2020, 16h17

Jair Bolsonaro tem no radicalismo dos seguidores de Olavo de Carvalho os seus apoiadores mais fieis. É essa turma que mantém ativos os tambores do presidente nas redes sociais com o discurso de “revolução” que começa pela – algo reconhecido por Bolsonaro — implosão do país como é hoje.

Fechem o Supremo, o Congresso, prendam parlamentares e juízes, lancem as forças armadas a controlar o país sob as ordens de Bolsonaro, eles gritam. Como o Radar já mostrou, Bolsonaro precisa manter ativa sua agenda de batalhas, sua lista de inimigos e suas conspiratas para que também esse público radical siga fiel ao ritmo dos tambores.

Essa ligação entre a militância e a agenda ódio ficou clara no início da pandemia, quando Bolsonaro arriscou-se a fazer seguidos pronunciamentos em rede nacional. No pronunciamento em que afrontou governadores, minimizou a pandemia e atacou as instituições, Bolsonaro incendiou as redes. Uma semana depois, quando ensaiou o tom moderado, viu as interações positivas relacionadas ao governo minguarem na internet.

Líder maior dessa tropa aloprada, o guru Olavo de Carvalho tomou de assalto com seus olavetes o Ministério da Educação desde o início do governo. O desastre da gestão de Ricardo Vélez Rodríguez pariu Abraham Weintraub, que levou a mais importante das áreas do governo ao apagão gerencial destes dias.

Para demitir Weintraub, como desejam os militares e a ala moderada do governo, Bolsonaro terá de desagradar a audiência mais fiel do seu governo. É isso que vem segurando a caneta do presidente há semanas.

Continua após a publicidade

No dia 3 de junho, o Radar mostrou que interlocutores de Bolsonaro haviam avisado a ministros do STF, do STJ e interlocutores do Congresso de que Weintraub sairia. A narrativa do pedido de demissão era a forma honrosa para que o ministro deixasse o governo preservando o capital político de Bolsonaro junto aos olavetes.

A notícia da saída de Weintraub levou Olavo de Carvalho a anunciar a ruptura com o governo. O guru, depois de bater pesado em Bolsonaro, voltou atrás, mas deu algum fôlego ao pupilo do MEC.

Apoiado por Olavo e pelos filhos de Bolsonaro, Weintraub passou a construir um discurso de perseguido pelo sistema, que não suportaria suas “ideias” e precisaria “silenciá-lo”. “A jogada é sair como mártir do governo”, diz um auxiliar de Bolsonaro ao Radar.

“Querem me calar a qualquer custo”, gritou Weintraub nas redes, nesta segunda, após ser multado por desrespeitar o decreto do governo do DF que obriga o uso de máscara em Brasília na pandemia.

Depois de virar investigado no STF por pregar abertamente a prisão dos ministros do STF, chamados por ele de “vagabundos”, Weintraub passou a usar nas redes uma foto em que surge amordaçado. Ao depor na PF, saiu carregado por alguns apoiadores, como os petistas faziam com os “guerreiros do povo brasileiro”.

A narrativa de vítima do sistema, entregue aos leões por Bolsonaro, está construída. Resta saber se será hoje a saída.

Continua após a publicidade
Publicidade