Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Gabriel Mascarenhas (interino) Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Autor da emenda da reeleição de FHC diverge do mea-culpa do ex-presidente

Mendonça Filho diz seguir favorável a esse instituto e afirmou que presidenciáveis são contra, mas não abrem mão de tentar novo mandato

Por Evandro Éboli Atualizado em 7 set 2020, 14h16 - Publicado em 7 set 2020, 14h05

Autor da emenda constitucional que garantiu a reeleição de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) – e de governadores e de prefeitos – aprovada pelo Congresso Nacional em 1997, o hoje ex-deputado Mendonça Filho, do então PFL de Pernambuco, diverge do ex-presidente tucano.

Ontem, FHC fez um “mea-culpa” e disse ter sido um “erro” a aprovação da reeleição e que o ideal seria um mandato de 5 anos, sem possibilidade de concorrer novamente na sequência. Foi num artigo publicado em o Estado de S. Paulo e no O Globo.

Mendoncinha, como é tratado, conversou com o Radar sobre a mudança de opinião do ex-presidente tucano e dessa “mea-culpa” 23 anos depois da aprovação da emenda.

O ex-deputado se mantém favorável à manutenção da reeleição, contou que conversou com Fernando Henrique à época, mas ressaltou que apresentou a emenda não para atender ao ex-presidente, mas por convicções políticas, questão institucional.

“Continuo defendendo o modelo da reeleição. Assegura a visão de médio de longo prazos para os governos, o que é muito importante. Há o argumento que muitos governantes deixam de adotar medidas duras por causa da reeleição. Mas, ao mesmo tempo, quando se tem direito a se reeleger, pode usufruir do resultado das medidas mais duras e profundas” – afirmou Mendonça Filho.

Continua após a publicidade

O autor da PEC da reeleição, ainda sobre FHC, disse que “ninguém é obrigado a ter opinião única para o resto da vida”.

Mas teceu sua opinião sobre presidenciáveis que dizem ser contra a reeleição, mas, uma vez no cargo, buscam novo mandato. Aí, citou Lula, Jair Bolsonaro e o próprio Fernando Henrique.

“Continuo defensor da reeleição, embora meas-culpas se deem depois que usufruem desse direito. Se espera de um estadista que diga: ‘não concordo com a reeleição, tenho direito a disputar, mas não serei candidato. Lula era contra, FHC está se pronunciando agora e Bolsonaro se colocou contra em algum momento e já admite disputar novamente”.

Para ele, reeleição não é garantia de recondução automática.

“Veja o caso da Dilma. Não se reelegeu por pouco”.

Continua após a publicidade
Publicidade