Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Uma causa, processo, não!

Em defesa de “um perseguido político”

Por Ricardo Noblat 8 fev 2018, 11h00

O embargo de declaração contra a decisão do tribunal de Porto Alegre que condenou Lula a 12 anos e 1 mês de prisão ficará por conta dos advogados que ali atuaram até agora em defesa do ex-presidente.

O jurista José Paulo Sepúlveda Pertence só entrará em campo para defender Lula junto aos tribunais superiores. Em breve, deverá impetrar um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar livrar Lula de uma prisão quase certa.

Ex-presidente do STF, reverenciado por todos os seus ex-colegas, Pertence encara a defesa de Lula como “uma causa, não um processo”. A causa, segundo ele, de um político perseguido por tudo o que fez de bom pelos brasileiros mais pobres.

Na adolescência, Pertence foi um admirador de Carlos Lacerda, que depois governaria o Rio e acabaria cassado pelo regime militar de 64. Deixou de admirar Lacerda quando ele se voltou contra o então presidente Getúlio Vargas, que se suicidou com um tiro no coração em agosto de 1954.

Continua após a publicidade

Publicidade