Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O Dia D e a Hora H da Operação Ponte-Aérea da Vacina

Coisas de quem usa farda

Por Ricardo Noblat Atualizado em 14 jan 2021, 08h27 - Publicado em 14 jan 2021, 08h00

Em um governo que emprega mais de 3 mil militares em funções tradicionalmente reservadas a civis e que alçou ao comando do Ministério da Saúde um general que não sabia o que era o SUS (Sistema Único de Saúde), é natural o uso de expressões que remetem a atos de guerra para anunciar suas intenções. 

O general Eduardo Pazuello havia dito que a vacinação em massa contra o coronavírus teria início no Dia D, que lembra a data do desembarque dos países aliados nas costas da Normandia durante a Segunda Guerra Mundial para libertar a França ocupada pelo Exército alemão do ditador nazista Adolph Hitler.

Agora, Pazuello diz que haverá uma Operação Ponte-Aérea para distribuição da vacina aos Estados. Como a Alemanha, ao fim da guerra, fora dividida em dois Estados – um administrado pelos aliados ocidentais e outro pelos soviéticos -, Berlim, a capital, ficou dividida em duas partes – a oriental e a ocidental.

No final de junho de 1948, Josef Stalin, chefe do Estado soviético, ordenou o bloqueio de rodovias e ferrovias e do transporte fluvial para Berlim Ocidental. A resposta dos aliados ganhou o nome de Operação Vittles. Foi a maior operação área de ajuda humanitária jamais vista até então. Ela salvou os berlinenses da fome.

Faltava Pazuello dizer quando seria o Dia D do início da vacinação – não falta mais. Na próxima terça-feira, em um evento cercado de muita fanfarra no Palácio do Planalto e transmitido ao vivo pela televisão, o país assistirá à imunização do primeiro brasileiro. No dia seguinte, a Operação Ponte-Aérea será deflagrada.

Campanhas de vacinação no Brasil sempre começam ao mesmo tempo em todos os lugares, mas desta vez não será assim. O governo federal despertou tarde para o fato de que a vacina é a salvação. E o presidente Jair Bolsonaro, favorável à morte de quem tiver de morrer, sabotou a vacinação o quanto pôde.

Há outra razão para que a Operação Ponte-Aérea por enquanto só contemple as capitais: não há vacina suficiente. O Estado de São Paulo tem 8 milhões de doses estocadas, por ora, sem licença para aplicá-las. E o governo federal só irá dispor de 2 milhões de doses buscadas às pressas na Índia e que chegarão neste sábado.

De resto, apenas neste domingo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reunirá sua diretoria para decidir se libera ou não o uso das duas vacinas – a Oxford/Astra Zeneca importada da Índia, e a CoronaVac, a vacina chinesa que aqui já começou a ser produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

Quanto a seringas e agulhas sem as quais não haverá vacinação, o Ministério da Saúde informou ao Supremo Tribunal Federal que caberá a Estados e municípios providenciá-las. Não será surpresa para este blog se 2021 terminar sem que termine a vacinação de todos os brasileiros que queiram ser imunizados.

Continua após a publicidade
Publicidade