Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hora do debate plural

Racionalidade

É possível aferir avanços da civilização por meio de diversos elementos: tecnologia, expansão do conhecimento, média de vida do ser humano, conscientização da sociedade etc. Nas democracias, um dos aspectos mais evidentes é a racionalidade.

Com boa pontuação nesse capítulo, um povo mostra que seu sistema de decisão é lógico, denso e justo. É quando o voto sai do coração e sobe à cabeça. O eleitor evita a síndrome do touro, que pensa com o coração e arremete com a cabeça.

Esse intróito convida-nos a imaginar o grau civilizatório da atualidade brasileira. Evidente que não somos uma sociedade racional, com nossa cultura banhada pela emoção. Somos uma gente calorosa, vibrante, que toma partido em tudo e decide mais pelo coração do que pela cabeça.

Porém, se expande por estas plagas o conceito de autogestão usado por muitas Nações, particularmente pela cultura anglo-saxã. Seu lema: a pessoa define metas e objetivos e escolhe meios e formas para atingi-los.

Desde o final de 80, sob uma Constituição garantidora de direitos individuais e sociais, avançamos na trilha da pressão sobre os Poderes, criticando e cobrando providências, até chegar ao estágio da mobilização social de 2013. Entidades intermediárias – gênero, minorias, defesa corporativa, categorias profissionais – mostraram sua força nas ruas.

E chegamos ao momento em que o país, dividido e polarizado, quebra paradigmas e elege dirigentes fora do velho jogo, enquanto contingentes agem de forma autônoma. Assim o país avança na direção da racionalidade.

Por isso, não dá mais para aceitar negociatas por baixo do pano, projetos a portas trancadas, burocratas plasmando reformas em circuito fechado. É hora do debate plural, sem redomas. O Brasil de hoje exige transparência.

Grupos nomeados por ministros ou secretários de Pastas, que não debatem seus projetos com a sociedade organizada, estarão sujeitos à execração social e condenados por desconexão com a realidade. O Brasil requer o jogo aberto de ideias, ponto e contraponto.

A propósito, algumas reformas estão em gestação no Governo e no Congresso. Entre elas a da Previdência, que não merece ser partilhada nas barganhas dos congressistas. Em elaboração está a reforma tributária. Todos os setores devem ser ouvidos, não apenas a indústria. Vejam o que diz o economista Raul Veloso: “A reforma tributária mexe com a tributação de setores da economia, aumentando a de uns e reduzindo a de outros. …mas esta é uma reforma em favor da indústria e contra o setor de serviços”.

Também se prepara a reforma sindical. Montou-se um Conselhão do Trabalho composto por tradicionais lideranças, sem participação de representantes de novos segmentos da empregabilidade.

Esperemos também pelas reformas administrativa e política. A primeira só será eficaz se for racional, enxugando estruturas, treinando quadros, reduzindo a burocracia.

Já a reforma política, pelo menos em relação ao voto, precisa encarnar melhor a vontade popular, o que não ocorrerá sem o crivo do cidadão, o verdadeiro dono do mandato. Todo poder emana do povo. E em seu nome deve ser exercido.

 

Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP e consultor político

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s