Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fogo, água e lama

O Brasil continua batizando crimes de desastres

A morte é a possibilidade mais concreta de nossas vidas. Não discrimina e é inegociável. Todos morreremos. De morte morrida. De morte matada. Aos que ficam resta dor e luto.

Foi um janeiro de lutos. É um fevereiro de lutos.  Ano que começa com dor e lágrimas, sucedendo outro – de perplexidade e dor com lutos figurados. Uma comoção atrás da outra. Mortes evitáveis são ainda mais doloridas. Revoltantes. Retratos do país esgarçado em descasos e desmandos.

É a empresa que Vale bilhões e não Vale nada em respeito humano. Reincidente, mata por descuido – os seus e os vizinhos. Gente, bicho e terra e água.

Mata em segundos. Dilata e dilata o prazo do atendimento dos que sobraram como se sobras fossem mesmo. Foi assim em Mariana. Ensaia repetição em Brumadinho. Entre um e outro, lucro e mortes crescem em progressão geométrica.

Reclame ao bispo?

Parece, não resolve. A cidade do Rio de Janeiro tem um no comando que, absolutamente, não cuidou do que devia – encostas, bueiros, bocas de lobo. Cuida de que, aliás? O anterior a ele, não era bispo, também não fez nada. Cuidou de Copa, Copinha e Olimpíada. Muita propaganda, poucos legados reais.

E assim, neste 2019, a costumeira tragédia das chuvas foi repetida. Sete mortos, dezenas de desabrigados, vidas e bens levados nas enchentes. O bispo da vez recomendou toque de recolher até a chuva passar.

E aí veio o fogo. Queimou 10 vidas num alojamento altamente queimável no coração do clube amadíssimo Brasil afora. Chorou Flamengo. Choramos todos pelos meninos que sonhavam sucesso com bola no pé.

Três tragédias e a mesma causa – descaso. A vida, a terra e a água valem tão pouco que vale a pena correr o risco do desastre.  O curto tempo entre Mariana e Brumadinho retrata o compromisso com o risco.  E assim responsáveis e fiscais são irresponsáveis. Bora ver até onde dá pra ir tocando o barco, com custo mínimo e risco máximo?

Vale o mesmo para a anual tragédia das chuvas de verão, para o fogo que queimou os meninos do Flamengo – quase todos pretos, quase todos pobres, como nos versos do Caetano.

Ontem, um helicóptero, que não tinha autorização para levar passageiros, matou piloto e passageiro. Levou Ricardo Boechat, jornalista, pleno de vida, de talento e de coragem. Irreverente, sarcástico, preciso em reproduzir a indignação diárias dos que não têm microfone.

Boechat era ímpar para quem via e ouvia, para os que conheciam, os que conviviam, os que conviveram.   Mais duas vidas queimadas no asfalto. Mais luto, mais lágrimas.

O Brasil continua batizando crimes de desastres. Não há reparação possível para descasos. Para os crimes deveria haver. Também não há.  Seguem resumidos a fatalidades. Sem causas, sem culpados.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s